Inteligência emocional do enfermeiro na abordagem ao doente crítico: estudo qualitativo

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

inteligência emocional; enfermeiras e enfermeiros; cuidados críticos

Como Citar

Sousa, L., Pereira, C. ., Lopes, A. ., Faísca, M. ., Fortuna, T. ., Príncipe, F. ., & Mota, L. (2020). Inteligência emocional do enfermeiro na abordagem ao doente crítico: estudo qualitativo. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 3(2), 39–48. https://doi.org/10.37914/riis.v3i2.97

Resumo

Enquadramento: a inteligência emocional (IE) é o conjunto de capacidades do indivíduo para identificar, gerir e entender as suas próprias emoções e de se auto motivar perante situações constrangedoras e geradoras de conflitos. Reflete as atitudes e comportamentos do profissional perante diferentes contextos tendo impacte na qualidade da sua atuação. Objetivos: descrever a IE dos enfermeiros na área do cuidado ao doente crítico e identificar as estratégias comportamentais utilizadas pelos mesmos. Metodologia: estudo qualitativo, descritivo e exploratório. A recolha de dados foi realizada através de um focus group com 8 enfermeiros peritos no cuidado ao doente crítico. Resultados: emergiram 6 categorias relativas à IE dos enfermeiros na área do cuidado ao doente crítico: profissionalismo, relações interpessoais, organização do serviço, partilha de emoções, gestão do trabalho e autocontrolo emocional. Conclusão: como estratégias utilizadas identificou-se a partilha de emoções entre pares, a gestão do tempo para debater as situações existentes durante o horário laboral, a capacidade de autocontrolo emocional, a adaptabilidade ao meio e a forma como se estabelece a relação com o cliente.

https://doi.org/10.37914/riis.v3i2.97

Referências

Bardin, L. (2015). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barros, J. O. (2009). A contrução de projetos terapêuticos no campo da saúde mental: apontamentos acerca das novas tecnologias de cuidado. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Beck, G. (2009). Conflito nas organizações. São Paulo: Centro Universitário Feevale.

Benzo, R. P., Kirsch, J. L., Dulohery, M. M., & Abascal-Bolado, B. (2016). Emotional Intelligence: A Novel Outcome Associated with Wellbeing and Self-Management in Chronic Obstructive Pulmonary Disease. Annals of the American Thoracic Society, 13(1), 10–16. https://doi.org/10.1513/AnnalsATS.201508-490OC

Cordeiro, A. (2009). Responsabilidade profissional: recursos humanos e qualidade dos cuidados de enfermagem. Dissertação de Mestrado: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa.

Costa, A. C., & Faria, L. (2009). A inteligência emocional no contexto de enfermagem: estudo exploratório com o questionário de competência emocional (QCE). Braga: Universidade do Minho.

Chinn, P. & Kramer, M. (2018). Integrated Theory and Knowledge Development in Nursing. 8th ed. St Louis, MO: Elsevier Mosby.

Crispim, I. (2015). Estilos vinculação, regulação emocional e partilha social das emoções em estudantes universitários. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias.

Diogo, P. (2017). Relação Terapêutica e Emoções: Envolvimento versus Distanciamento Emocional dos Enfermeiros. Pensar Enfermagem.

Encarnaçao, R., Soares, E., & Carvalho, A. (2018). Inteligência Emocional: Fatores Influenciadores e impacto nos enfermeiros em cuidados intensivos. Revista Rene, Vol. 19,33-58

Goleman, D. (2018). Trabalhar com Inteligência Emocional. Círculo de Leitores.

Goleman, D. (2019). Inteligência Emocional. Lisboa: Temas e debates.

International Council of Nurses. (2016). Classificação internacional para a prática de enfermagem: CIPE versão 2015. Lisboa, Portugal: Lusodidacta.

Lewis S. L. (2019). Emotional Intelligence in Neonatal Intensive Care Unit Nurses: Decreasing Moral Distress in End-of-Life Care and Laying a Foundation for Improved Outcomes: An Integrative Review. Journal of hospice and palliative nursing: JHPN: the official journal of the Hospice and Palliative Nurses Association, 21(4), 250–256. https://doi.org/10.1097/NJH.0000000000000561

Mayer, J., Salovey, P., & Caruso, D. (2004). Emotional Inteligence: Theroy, findings and implications. Psychological Inquiry, 15(3), 197-215

Nagel, Y., Towell, A., Nel, E., & Foxall, F. (2016). The emotional intelligence of registered nurses commencing critical care nursing. Curationis, 39(1), e1–e7. https://doi.org/10.4102/curationis.v39i1.1606

International Council of Nurses. (2015). CIPE - Versão 2015: classificação internacional para a prática da enfermagem. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros.

Oliveira, K. S. (2019). Inteligência Emocional dos Enfermeiros: contributos da supervisão clínica. Tese de Mestrado: Escola Superior de Saúde do Porto.

Rimé, B. (2009). Emotion elicits the social sharing of emotion: Theory and empirical review. Emotion Review, 1(1), 60-85

Santos, M., & Almeida, A. (2016). Profissionais de Saúde: principais riscos e fatores de risco, eventuais doenças profissionais e medidas de proteção recomendadas. Revista Portuguesa de Saúde Ocupacional, 2, 28-52. DOI:10.31252/RPSO.26.10.2016

Schein, E. (2009). Cultura organizacional e Liderança. São Paulo: Atlas.

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2020 Revista de Investigação & Inovação em Saúde