A Pessoa com ostomia de eliminação intestinal: representação social dos enfermeiros

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

cuidador familiar; autocuidado; envelhecimento; satisfação pessoal

Como Citar

Pinho, J., Jesus, T., Leal, D., Nogueira, C., Felisberto, F., & Mota, L. (2018). A Pessoa com ostomia de eliminação intestinal: representação social dos enfermeiros. Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 1(2), 23-36. https://doi.org/10.37914/riis.v1i2.40

Resumo

Enquadramento: o envelhecimento da população aumenta a probabilidade de conduzir os idosos a situações de dependência no autocuidado. Perante esta nova condição, a família surge como um recurso, constituindo-se como cuidadores familiares. Objetivos: caraterizar os motivos que conduzem à assunção do papel de cuidador familiar; determinar a satisfação com o exercício do papel bem como as principais fontes de satisfação; determinar a sua perceção de autoeficácia para tomar conta e o envolvimento nos cuidados. Metodologia: mista, descritiva e transversal. Como instrumentos de recolha de dados utilizamos um guião de entrevista semiestruturada, o Índice de Barthel e a Escala de Satisfação do Cuidador Informal (CASI). Resultados: os cuidadores familiares têm na sua generalidade uma satisfação elevada na assunção do papel. As principais fontes de satisfação relacionam-se com a pessoa dependente como principal beneficiária. No entanto, foram identificadas dificuldades no desempenho do papel, principalmente relacionadas com a prestação de cuidados que exigem capacidade física e com a gestão de emoções. Conclusão: os enfermeiros assumem um papel fundamental na capacitação e empoderamento dos cuidadores familiares, produzindo um impacte positivo na qualidade de vida e dos cuidados que a pessoa dependente recebe.

https://doi.org/10.37914/riis.v1i2.40

Referências

Araújo, O. (2009). Idosos dependentes: Impacte positivo do cuidar na perspetiva da família. Revista Sinais Vitais, 86, 25-30. Retirado de:http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/20901/1 /Artigo%20Sinais%20Vitais.pdf
Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. (1ª ed.). Lisboa: Edições 70.
Cardoso, M. (2011). Promover o bem-estar do familiar cuidador: programa de intervenção estruturado (Tese de Doutoramento). Universidade Católica Portuguesa.
Sequeira, C. (2010). Cuidar de idosos com dependência física e mental. (1ª ed.) Coimbra: LIDEL.
Fortin, M; Côté, J & Filion, F. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Lisboa: Lusodidacta.
Guedes, S. (2011). Cuidar de idosos com dependência em contexto domiciliário: necessidades formativas dos familiares cuidadores (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Enfermagem do Porto.
INE. (2017) Instituto Nacional de Estatística: Statistics Portugal. Retirado de : https://www.ine.pt
Machado, S. (2012). Avaliação da Sobrecarga do Cuidador Informal, no Desempenho de suas Funções, à Pessoa Idosa Dependente, no Concelho de Santana. (Dissertação de Mestrado). Universidade da Madeira.
Meleis, A. (2015). Transition Theory. In Smith, M. & Parker, M. (Eds). Nursing theories and nursing practises. 4º Ed. Philadelphia: F. A Davis.
Mestre, M. (2010). Suporte social e coping nos cuidadores informais de idosos dependentes (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve.
Pereira, M. & Carvalho, H. (2012). Qualidade vida, sobrecarga, suporte social, ajustamento conjugal e morbidade psicológica em cuidadores de idosos com dependência funcional. Temas em Psicologia. 20 (2), 360 – 383. Retirado de : http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v20n2/v20n2a07.pdf
Sousa, A. (2011). Quando o Cuidador é idoso: Impacto Físico, Emocional e Social do Cuidador Informal Idoso (Tese de Mestrado). Universidade Católica Portuguesa.