Transporte inter-hospitalar do doente crítico: representação social dos enfermeiros

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

transporte de pacientes; cuidados críticos; enfermeiras e enfermeiros

Como Citar

Ferreira, C., Lisboa, C., Moreira, D., Sousa, G., Teixeira, T., Príncipe, F., & Mota, L. (2019). Transporte inter-hospitalar do doente crítico: representação social dos enfermeiros. Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 2(2), 29-38. https://doi.org/10.37914/riis.v2i2.55

Resumo

Enquadramento: a necessidade de cuidados diferenciados e realização de exames complementares de diagnóstico obriga a que se proceda ao transporte inter-hospitalar do doente em estado crítico. Objetivo: explorar a representação social dos enfermeiros experienciam sobre o transporte inter-hospitalar do doente crítico. Metodologia: estudo qualitativo, do tipo exploratório com uma amostra constituída por 110 enfermeiros. Recolha de dados com recuso a questionário online e análise de dados com a ferramenta IRAMUTEQ. Resultados: através da análise de similitude verificou-se que a medicação é o núcleo central da interpretação das vivências dos enfermeiros no transporte inter-hospitalar do doente crítico, ramificando-se em quatro: material, paragem cardiorrespiratória, monitorização e estabilidade. Conclusão: o transporte do doente crítico é suscetível de despoletar diversas vivências, por exigir do enfermeiro, no exercício da responsabilidade profissional, elevados níveis de conhecimento e confiança, promotores das escolhas mais adequadas à qualidade e eficiência dos cuidados prestados.

https://doi.org/10.37914/riis.v2i2.55

Referências

Carvalho, I. (2009). Transporte do traumatizado. Em F. Nunes, P. Meira, A. Martins, I. Carvalho, M. Saraiva, P. Silva, . . . S. C. Ribeiro, Manual de trauma (pp. 129-139). Loures: Lusociência.
Cristina, J. A., Dalri, M. C., Cyrillo, R. M., Saeki, T., & Veiga, E. V. (2008). Vivências de uma equipe multiprofissional de atendimiento pré-hospitalar móvel em suporte avançado de vida na assistência ao adulto em situação de parada cardiorrespiratória. Ciência e enfermaria, 14(2), 97-105. Retirado de https://scielo.conicyt.cl/pdf/cienf/v14n2/art12.pdf
Duarte, S. J., Mamede, M. V., & Andrade, S. M. (2009). Opções Teórico-Metodológicas em Pesquisas Qualitativas: Representações Sociais e Discurso do Sujeito Coletivo. Saúde e Sociedade, 18(4), 620-626. Retirado de http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v18n4/06.pdf
Lopes, H., & Frias, A. (2014). Eventos adversos no transporte do doente crítico: percepção dos enfermeiros de um hospital central. Revista Investigação em Enfermagem, 2(6), 54-58. Retirado de https://dspace.uevora.pt/rdpc/bitstream/10174/13491/1/Artigo%20-%20Transporte%20do%20doente%20critico.pdf
Marchand, P., & Ratinaud, P. (2011). L’analyse de similitude appliquée aux corpus textuels: les primaires socialistes pour l’élection présidentielle française. Universidade de Toulouse. Retirado de http://lexicometrica.univ-paris3.fr/jadt/jadt2012/Communications/Marchand,%20Pascal%20et%20al.%20-%20L%27analyse%20de%20similitude%20appliquee%20aux%20corpus%20textuels.pdf
Marco, M. A. (2006). Do modelo biomédico ao modelo biopsicossocial: um projeto de educação permanente. Revista Brasileira de Educação Médica, 30(1), 60-72. Retirado de http://www.scielo.br/pdf/rbem/v30n1/v30n1a10.pdf
Martino, M. M., & Misko, M. D. (2004). Estados emocionais de enfermeiros no desempenho profissional em unidades críticas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 38(2), 161-167. Retirado de http://www.ee.usp.br/reeusp/upload/pdf/107.pdf
Martins, R. M., & Martins, J. C. (Dezembro de 2010). Vivências dos enfermeiros nas transferências inter-hospitalares dos doentes críticos. Revista de Enfermagem Referência, III(2), 111-120. Retirado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/ref/vserIIIn2/serIIIn2a12.pdf
Ministério da Saúde. (Março de 2015). Carta dos Direitos de Acesso aos Cuidados de Saúde pelos Utentes do SNS. Diário da República, 1.ª série - N.º 57. Retirado de https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2016/08/Portaria87_2015.pdf
Novais, S. A., Mendes, F. R., & Zangão, M. O. (2016). A Representação Social da Polineuropatia Amiloidótica Familiar na Comunidade. Investigação Qualitativa em Saúde, 2, 730.
Oliveira, A. S., & Martins, J. C. (2013). Ser enfermeiro em Suporte Imediato de Vida: Significado das Experiências. Revista de Enfermagem Referência, III(9), 115-124. Retirado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/ref/vserIIIn9/serIIIn9a12.pdf
Ordem dos Enfermeiros. (2010). Regulamento das Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem em Pessoa em Situação Critica. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros.
Sheeley, S. (2011). Enfermagem de Urgência - da teoria à prática (6 ed.). Lisboa: Lusociência.
Silva, S. É., Camargo, B. V., & Padilha, M. I. (2011). A Teoria das Representações Sociais nas pesquisas da Enfermagem brasileira. Revista Brasileira de Enfermagem, 64(5), 947-51. Retirado de http://www.scielo.br/pdf/reben/v64n5/a22v64n5.pdf
SPCI, & Ordem dos Médicos. (2008). Transporte de Doentes Críticos: Recomendações. Centro Editor Livreiro da Ordem dos Médicos.
Tavares, D. W., Brito, R. C., Córdula, A. C., Silva, J. T., & Neves, D. A. (2014). Protocolo Verbal e teste de associação livre de palavras: perspectivas de instumentos de pesquisa introspectiva e projetiva na ciência da informação. Ponto de Acesso, 8 (3), 64-79.