Doente sedado, consciente e ventilado invasivamente: terapêuticas de enfermagem

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

cuidados de enfermagem
cuidados críticos
sedação consciente
respiração artificial

Como Citar

Morais, O. M. dos, Mata, C., Fernandes, M. de F., Monteiro, M. de F., Castro, S., Príncipe, F., & Mota, L. . (2021). Doente sedado, consciente e ventilado invasivamente: terapêuticas de enfermagem. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 4(1), 7–17. https://doi.org/10.37914/riis.v4i1.118

Resumo

Enquadramento: a sedação dos doentes sob ventilação invasiva tem sofrido uma mudança de paradigma, traduzida na utilização de protocolos de sedação ligeira, que possibilite que os mesmos estejam conscientes, sempre que possível. Os enfermeiros, através da implementação de terapêuticas de enfermagem adequadas têm papel relevante nesta transição saúde-doença. Objetivo: identificar as terapêuticas de enfermagem valorizadas pelos enfermeiros de Cuidados Intensivos, no cuidado ao doente ventilado invasivamente, sedado e consciente. Metodologia: estudo qualitativo, exploratório, mediante um focus group, com recurso à análise de conteúdo segundo Bardin. Amostra constituída por seis enfermeiros peritos, especialistas em enfermagem médico-cirúrgica, a exercer, em Serviços de Cuidados Intensivos de quatro hospitais do norte de Portugal. Resultados: emergiram cinco categorias de terapêuticas de enfermagem: redimensionamento da vigilância, gestão da terapêutica, autocuidado (com cinco subcategorias), implementação de estratégias comunicacionais e implementação de estratégias face à agitação/desorientação (com três subcategorias). Conclusões: as terapêuticas de enfermagem à pessoa sedada, consciente e ventilada invasivamente, valorizadas pelos enfermeiros de cuidados intensivos, focam-se no incremento da vigilância dos doentes, na gestão da analgesia/sedação, na promoção do potencial de autocuidado, na implementação de estratégias facilitadoras da comunicação e de estratégias para gestão dos quadros de agitação/desorientação.                                

https://doi.org/10.37914/riis.v4i1.118

Referências

Bäcklund, K., Persson, K., & Haziabdic, E. (2018). Intensive Care Nurses’ Experiences of Caring for Intubate Patients under Light Sedation: A Qualitative Study. Open Journal of Nursing, 8, 473 - 484.

Bardin, L. (2015). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barr, J., Fraser, G., Puntillo, K., Ely, E., Gélinas, C., Dasta, J., …, & Jaeschke, R. (2013). Clinical Practice Guidelines for the Management of Pain, Agitation, and Delirium in Adult Patients in the Intensive Care Unit. Critical Care Medicine, 41(1), 263-306. https://doi.org/10.1097/CCM.0b013e3182783b72

Benner, P. (2001). De Iniciado a Perito. Coimbra: Quarteto.

Hofhuis, J., Rose, L., Blackwood, B., Akerman, E., McGaughey, J., Egerod, I., … & Spronk, P. (2018). Clinical practices to promote sleep in the ICU: A multinational survey. International Journal of Nursing Studies, 81, 107 - 114. https://doi.org/10.1016/j.ijnurstu.2018.03.001

Humphrey, M., Everhart, S., Kosmisky, D., & Anderson, W. E. (2018). An evaluation of patient-specific characteristics on attainment of target sedation in an intensive care unit. Heart & Lung, 47(4), 387–391. https://doi.org/10.1016/j.hrtlng.2018.05.008

Klarsson, V.,& Bergbom, I. (2015). ICU Professionals’ Experiences of Caring for Conscious Patients Receiving MVT. Western Journal of Nursing Research, 37(3), 360–375. https://doi.org/10.1177/0193945914523143

Mehta, S., Spies, C., & Shehabi, Y. (2018). Ten tips for ICU sedation. Intensive care medicine, 44(7), 1141–1143. https://doi.org/10.1007/s00134-017-4992-9

Meleis, A. (2010). Transitions Theory. Middle Range and Situation Specific Theories in Nursing Research and Practice. New York: Springer Publishing Company.

Meleis, A., Sawyer, L., Im, E., Hilfinger, D. ,& Schumacher, K. (2000). Experiencing Transitions: An Emerging Middle_Range Theorys. Advances in Nursing Science, 23 (1), 12-28. https://doi.org/10.1097/00012272-200009000-00006

Mortensen, C., Kjaer, M.,& Egerod, I. (2019). Caring for non-sedated mechanically ventilated patients in ICU: A qualitative study comparing perspectives of expert and competent nurses. Intensive and Critical Care Nursing, 52, 35-41. https://doi.org/10.1016/j.iccn.2019.01.004

Mota, L., Bastos, F., & Brito, M. (2018). A pessoa submetida a transplante de fígado: terapêuticas de enfermagem no follow up. Revista de Enfermagem Referência, série IV, 16, 19-28

Ordem dos Enfermeiros (2017). Padrões De Qualidade dos Cuidados Especializados em Enfermagem Médico-Cirúrgica: na área de Enfermagem à Pessoa em Situação Crítica, na área de Enfermagem à Pessoa em Situação Paliativa, na área de Enfermagem à Pessoa em Situação Perioperatória e na área de Enfermagem à Pessoa em Situação Crónica (Assembleia Extraordinária do Colégio da Especialidade de Enfermagem Médico-Cirúrgica). Retirado de em: https://docplayer.com.br/88218153-Assembleia-extraordinaria-do-colegio-da-especialidade-de-enfermagem-medico-cirurgica.html

Ordem dos Enfermeiros (2018). Competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem em Pessoa em Situação Crítica (Regulamento n.º 429/2018). Diário da República, 2ª série, n.º 135 de 16 de julho de 2018, p. 19359-19360.

Pinto, F. (2011). Sedação e analgesia em unidades de cuidados intensivos em Portugal - resultados de um inquérito nacional (Tese de Mestrado). Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar: Porto.

Teixeira, J., & Durão, M. (2016). Monitorização da dor na pessoa em situação crítica: uma revisão integrativa da literatura. Revista de Enfermagem Referência, série IV, 10, 135-142. http://dx.doi.org/10.12707/RIV16026

Ten Hoorn, S., Elbers, P.W., Girbes, A.R., & Tuinman, P.R. (2016). Communicating with conscious and mechanically ventilated critically ill patients: a systematic review. Critical Care 20, 333. https://doi.org/10.1186/s13054-016-1483-2

Tingsvik, C., Bexell, E., Andersson, A., & Henricson, M. (2013). Meeting the challenge: ICU-nurses’ experiences of lightly sedated patients. Australian Critical Care, vol. 26 (3), 124-129. https://doi.org/10.1016/j.aucc.2012.12.005

Tovar, L. (2017). El Sueño en las Unidades de Críticos. Comunicaciones Escritas presentadas al III Congreso Virtual de la Sociedad Española de Enfermería de Urgencias y Emergencias, Ciberrevista Enfermeria de Urgencias, 58, 1-3.

Urden, L., Stacy, K., & Lough, M. (2013). Cuidados Intensivos de Enfermagem (6ª Ed.). Rio de Janeiro: Elsevier Editora, Lda.

Vieira, J., Ferreira, R., & Goes, M. (2018). Protetores de ouvido e olhos na promoção do sono em Cuidados Intensivos. Revista de Enfermagem UFPE, 12 (10). https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i10a236958p2784-2793-2018

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Odete Maria dos Morais, Celeste Mata, Fátima Fernandes, Fátima Monteiro, Susana Castro, Fernanda Príncipe, Liliana Mota