Consultas de enfermagem à distância em Portugal: recomendações de peritos
PDF

Palavras-chave

Telenfermagem
Recomendações
eSaúde
Enfermagem

Como Citar

Pimentel, G. ., Neves, J. ., Loureiro, A. R. ., Ventura, F. ., Vieira, A. ., Morais, A. ., Amorim, V. ., Lopes , P. ., Correia de Matos, R. ., Ferreira, R. ., & Marques, A. . (2022). Consultas de enfermagem à distância em Portugal: recomendações de peritos. Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 5(1), 125–138. https://doi.org/10.37914/riis.v5i1.171

Resumo

Enquadramento: a disrupção causada pela pandemia COVID-19 no acesso aos cuidados de saúde foi enorme. Muitos enfermeiros recorreram à consulta telefónica ou a outros meios digitais (telenfermagem) para mitigar o impacto na saúde das populações, não existindo recomendações para esta prática. Objetivos: definir recomendações para promover o desenvolvimento e uniformização da prestação de cuidados de telenfermagem em Portugal. Metodologia: projeto promovido pela Secção Regional do Centro da Ordem dos Enfermeiros. Em primeiro lugar, realizou-se uma quickreview da literatura e um levantamento de necessidades e propostas através de um inquérito a enfermeiros e utentes. Formou-se então um Painel de Peritos (n=29) maioritariamente constituído por enfermeiros (referenciados por associações profissionais), mas também por representantes de associações de utentes, gestores, entre outros. Para cada recomendação desenvolvida foi estabelecido o nível de acordo (entre 1 e 10) e esta foi adotada se aprovada por ≥75% dos peritos. Resultados: consensualizaram-se 4 princípios gerais e 10 recomendações para a realização de telenfermagem. Denotam-se como principais preocupações o garante da segurança, qualidade, individualidade dos cuidados, o que requer a adequabilidade de meios humanos, técnicos e formativos/organizativos. Conclusão: estas são as primeiras recomendações para a prestação de telenfermagem, elaboradas por enfermeiros, utentes e outros stakeholders em saúde.

https://doi.org/10.37914/riis.v5i1.171
PDF

Referências

Agência para a Investigação e Qualidade dos Cuidados de Saúde. (2014). “The SHARE Approach. Essential Steps of Shared Decision making:

Quick ReferenceGuide.https://www.ahrq.gov/sites/default/files/wysiwyg/professionals/education/curriculum-tools/shareddecisionmaking/tools/tool-1/share-tool1.pdf

AmericanNursesAssociation.(2019). ANACorePrincipleson ConnectedHealth.https://www.nursingworld.org/~4a9307/globalassets/docs/ana/practice/ana-core-principles-on-connected-health.pdf

Decreto-Lei n.º 18/2017 de 10 de fevereiro de 2017. Diário Da República nº 30 - I Série. Ministério da Saúde.https://files.dre.pt/1s/2017/02/03000/0069400720.pdf

Despacho n.º 3570/2013 de 6 de março 2013. Diário Da República n.º46, II Série. Ministério da Saúde. https://files.dre.pt/2s/2013/03/046000000/0832508326.pdf

Despacho n.º 5314/2020 de 7 de Maio 2020. Diário Da República nº89/2020, II Série. Ministério da Saúde. https://files.dre.pt/2s/2013/03/046000000/0832508326.pdf

FinnishNursesAssociation. (2016). eHealth strategy of the Finnish Nurses Association 2015–2020. https://sairaanhoitajat.fi/wp-content/uploads/2020/01/eHealth_RAPORTTI-_ENGLANTI.pdf

Garritty, C., Gartlehner, G., Nussbaumer-Streit, B., King, V. J., Hamel, C., Kamel, C., Affengruber, L. & Stevens, A. (2021). Cochrane Rapid Reviews Methods Group offers evidence-informed guidance to conduct rapid reviews. Journal of clinical epidemiology,130, 13–22. https://doi.org/10.1016/j.jclinepi.2020.10.007

O E. (2021). Guia de Recomendações: Consulta de Enfermagem à distância – Telenfermagem.

https://www.ordemenfermeiros.pt/media/21380/guia-telenfermagem_final.pdf

OE. (2015). Estatuto da Ordem dos Enfermeiros e REPE. https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/publicacoes/Documents/nEstatuto_REPE_29102015_VF_sie.pdf

OMS. (2019). Guideline Recommendations on Digital Interventions for Health System Strengthening. https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/311941/9789241550505-eng.pdf?ua=1

Norma nº 15/2013 de 3 de outubro da Direção-Geral da Saúde. (2013). Consentimento Informado, Esclarecido e Livre Dado por Escrito. Norma-015-DGS-Consentimento-informado-esclarecido-e-livre-dado-por-escrito-04-11-2015

Norma nº 10/2015 de 15 junho da Direção-Geral da Saúde. (2015). Modelo de Funcionamento das Teleconsultas. https://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/normas-e-circulares-normativas/norma-n-0102015-de-15062015-pdf.aspx

Peek, M. E., Wilson, S. C., Gorawara-Bhat, R., Odoms-Young, A., Quinn, M. T. & Chin, M. H. (2009). Barriers and facilitators to shared decision-making among African-Americans with diabetes. Journal of general internal medicine, 24(10), 1135–1139. https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs11606-009-1047-0

Pereira, A. (2015). Telemedicina e farmácia online: aspetos jurídicos da eHealth. Revista da Ordem dos Advogados. 75 (1-2), 55-77

SPMS. (2019). Plano Estratégico Nacional para a Telessaúde 2019-2022. https://www.spms.min-saude.pt/wp-content/uploads/2019/11/PENTS_portugu%C3%A

van der Heijde, D., Aletaha, D., Carmona, L., Edwards, C. J., Kvien, T. K., Kouloumas, M., Machado, P., Oliver, S., de Wit, M., &Dougados, M. (2015). 2014 Update of the EULAR standardised operating procedures for EULAR-endorsed recommendations. Annals of the rheumatic diseases, 74(1), 8–13. https://doi.org/10.1136/annrheumdis-2014

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2022 Georgina Alexandra Pimentel, Ana Rita Loureiro, João Carlos Oliveira Neves, Filipa Ventura, Ana Vieira, Ana Morais, Valter José Mendes de Amorim, Pedro Miguel Lopes da Silva, Ricardo Jorge Correia de Matos, Ricardo Ferreira, Andréa Marques