O Processo de Fim de Vida em Doentes Oncológicos Paliativos em contexto Hospitalar e Domiciliário: Estudo Qualitativo

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

cuidados paliativos domiciliárias; cuidados paliativas hospitalares; doente oncológico paliativo

Como Citar

Araújo, V., & Remondes-Costa, S. (2018). O Processo de Fim de Vida em Doentes Oncológicos Paliativos em contexto Hospitalar e Domiciliário: Estudo Qualitativo. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 1(1), 87–96. https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.34

Resumo

Introdução: os cuidados paliativos visam a melhoria na qualidade de vida em doentes com impossibilidade de cura. O contexto de oferta destes cuidados pode ser de internamento, ambulatório e domiciliário. Objetivo: identificar se existem especificidades no vivenciar o processo de doença oncológica paliativa mediante o contexto de acompanhamento em cuidados paliativos, hospitalar ou domiciliário. Metodologia: estudo qualitativo com 20 doentes, 10 doentes oncológicos em fase paliativa hospitalares e 10 doentes oncológicos em fase paliativa domiciliários, com idades compreendias entre os 50 e 89 anos. Para a recolha dos dados recorreu-se à entrevista semiestruturada e para a respetiva análise ao sistema de categorização da análise de conteúdo segundo Bardin (2008). Resultados: em ambos os contextos os doentes reportam terem necessidade de informações e esclarecimentos, evidenciando também esperança na cura e que os tratamentos estagnem a doença. Os doentes reportam sofrimento emocional face a sua finitude, notando tristeza e perda do sentido da vida. Conclusão: Não foram encontradas especificidades na comunicação, vivência emocional e esperança mediante o contexto de oferta dos cuidados paliativas. Assim, para a compreensão de pequenas especificidades, mais do que o contexto de cuidados devem ser consideradas as características pessoais, culturais e ambientais dos doentes.

https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.34

Referências

Baalen, C., Grypdonck, M., Hecke, A., & Verhaeghe, S. (2016). Hope dies last... A qualitative study into the meaning of hope for people with cancer in the palliative phase. European Journal of Cancer Core, 25(4), 570-579. doi: 10.1111/ecc.12500
Bardin, L. (2008). Análise de Conteúdo (L. Reto & A. Pinheiro, Trad.). Lisboa: Edições70 (Obra original publicada em 1977).
Benzein, E., Norberg, A., & Saveman, B. (2001). The meaning of the lived experience of hope in patients with cancer in palliative home care. Palliative Medicine, 15(2), 117-126. doi: 10.1191/026921601675617254
Clayton, J., Hancock, K., Parker, S., Butow, P., Walder, S., Carrick, S., ... Tattersall, M. {2008). Sustaining hope when communication with terminally ill patients and their families: A systematic review. Psycho-Oncology, 17(7), 641-659. doi: 10.1002/pon.1288
Coelho, M., & Ferreira, A. {2015). Cuidados paliativos: Narrativas do sofrimento na escuta do outro. Revista Bioética, 23(2), 340-348. doi: 10.1590/1983-
80422015232073
Decreto-Lei n. 258/2011, 20.04.2011. Código deontológico da ordem dos psicólogos portugueses. Diário da República, 2ª Série, 78, 17931-17936. Lisboa. Portugal
Direção Geral de Saúde {2016). Portugal: Doença oncológica em números- Programa nacional para as doenças oncológicas. Lisboa: Direção Geral de Saúde.
Eliott, J., & Olver, 1. {2009). Hope, life, and death: A qualitative analysis of dying cancer patients' talk about hope. Death Studies, 33{7), 609-638. doi: 10.1080/07481180903011982
European Association for Palliative Care {2010). Definition of palliative core. Retirado de http:// www.eapcnet.eu/Corporate/ AbouttheEAPC/Definiti onandaims.aspx.
Feuz, C. (2012). Hoping for the best while preparing for the worst: A literature review of the role of hope in palliative cancer patients. Journal of Medical lmaging and Radiation Sciences, 43(3), 168-174. doi: 10.1016/j.jmir.2011.10.002
Giorgi, A., & Sousa, D. {2010). Método fenomenológico de Gõtze, H., Brahler, E., Gansera, L., Polze, N., & Kõhler, N. (2014). Psychological distress and quality of life of palliative cancer patients and their caring relatives during home care. Supportive Core Cancer, 22(10), 2775-2782. doi: 10.1007 /s00520-014-2257-5
Gramling, R., Norton, S., Ladwig, S., Metzger, M., Deluca, J., Gramling, D., ..., Alexander, S. {2013). Direct observation of prognosis communication in palliative care: A descriptive study. Journal of Pain and Symptom Management, 45(2), 202-212. doi: 10.1016/j.jpainsymman.2012.02.004
Groh, G., Vyhnalek, B., Feddersen, B., Führer, M., & Borasio, G. (2013). Effectiveness of a specialized outpatient palliative care service as experienced by patients and caregivers. Journal of palliative medicine, 16(8), 848-856. dai: 10.1089/jpm.2012.0491
Leviski, B., & Langaro, F. {2014). O olhar humano sobre a vida: A consciência da finitude. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, 17(1), 49-69.
Mendes, J., Lustosa, M., & Andrade, M. (2009). Paciente terminal, família e equipe de saúde. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, 12(1), 151-173.
Murray, S., Kendall, M., Boyd, K., Worth, A., & Benton, T. (2004). Exploring the spiritual needs of people dying of lung cancer or heart failure: A prospective qualitative interview study of patients and their carers. Palliative Medicine, 18(1), 39-45. dai: 10.1191/0269216304pm837oa
Organização Mundial de Saúde (2002). National cancer contrai programs: policies and managerial guidelines (2ºed.). Geneva: World Health Organization.
Organização Mundial de Saúde (2017). World Health Organization Definition of palliative care. Retirado de http://www.w ho. i nt/cancer/ pa lliative/defin ition/ en/.
Queiroz, A., Pontes, R., Souza, A., & Rodrigues, T. (2013). Percepção de familiares e profissionais de saúde sobre os cuidados no final da vida no âmbito da atenção primária à saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2615-2623.
Robinson, J., Gott, M., & lngleton, C. (2014). Patient and family experiences of palliative care in hospital: What do we know? An integrative review. Palliative Medicine, 28(1), 18-33. dai: 10.1177/ 0269216313487568
Shepperd, S., Wee, B., & Straus, S. (2012). Hospital at home: home-based end of life care. Cochrane Database of Systematic Review, 6(7). doi: 10.1002/14651858.CD009231
Umezawa, S., Fujimori, M., Matsushima, E., Kinoshita, H., & Uchitomi, Y. (2015). Preferences of advanced cancer patients for communication on anticancer treatment cessation and the transition to palliative care. Cancer, 121(23), 4240-4249. dai: 10.1002/cncr.29635
Ventura, A., Burney, S., Brooker, J., Fletcher, J., & Ricciardelli, L. (2014). Home-based palliative care: A systematic literature review of the self-reported unmet needs of patients and carers. Palliative Medicine, 28(5),
391-402. dai: 10.1177/ 0269216313511141