Perspetiva do Enfermeiro em relação à Via Verde Trauma

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

centros de traumatologia; emergência; enfermeiros; educação contínua; ferimentos e lesões

Como Citar

Almeida, A., Ribeiro, C., Paes, P., Mota, L., & Príncipe, F. (2020). Perspetiva do Enfermeiro em relação à Via Verde Trauma . Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 3(1), 55-66. https://doi.org/10.37914/riis.v3i1.74

Resumo

Enquadramento: De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), o trauma é um dos maiores problemas de saúde a nível mundial sendo responsável por um aumento da mortalidade e morbilidade da população. Ao reconhecermos os Enfermeiros como atores importantes na abordagem à vítima de trauma consideramos pertinente conhecer a sua perspetiva em relação à Via Verde Trauma (VVT) uma vez que esta é uma medida considerada relevante positivamente para a melhoria do atendimento ao Utente vítima de trauma. Objetivo: Com a realização deste trabalho pretende-se identificar as dificuldades de implementação da VVT e os ganhos em saúde que esta Via Verde (VV) traz na perspetiva do Enfermeiro e refletir acerca dos motivos da baixa implementação desta VV. Metodologia: Estudo qualitativo, exploratório com recurso a focus groups (FC)como método de recolha de dados. Amostra não probabilística, análise de dados de acordo com o método de análise de conteúdo de Bardin. Resultados: Após análise das transcrições surgiram três categorias: Identificação de vantagens, necessidades formativas e identificação de fatores barreira que evidenciam a perspetiva do Enfermeiro acerca da VVT. Conclusão: Os enfermeiros consideram a VVT uma ferramenta que acarreta vantagens importantes a nível dos cuidados à pessoa vítima de trauma, reconhecendo as necessidades formativas e fatores barreira que possam existir.

https://doi.org/10.37914/riis.v3i1.74

Referências

Administração Regional de Saúde do Norte. (2009). Um ano de Reflexão e Mudança: Comissão Regional do Doente Crítico. Porto: ARSN

Bardin, L. (2015). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70

Campos, L., Saturno, P., & Carneiro, A.V., (2010). Plano Nacional de Saúde 2011-2016: a qualidade dos cuidados e dos serviços. Lisboa: Direção Geral da Saúde, 2010. Retirado de: http://pns.dgs.pt/files/2010/07/Q2.pdf

Celso, B., Tepas, J., Langland-Orban, B., Pracht, E., Papa, L., Lottenberg, L., & Flint, L. (2006). A Systematic Review and Meta-Analysis Comparing Outcome of Severely Injured Patients Treated in Trauma Centers Following the Establishment of Trauma Systems. The Journal of Trauma, Injury, Infection, and Critical Care, 60, 371-378.

Despacho n.º 8977/2017 de 11 de outubro (2017). Diário da República n.º 196/2017. Série II. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde

Direção Geral da Saúde. (2012). Comissão de reavaliação da rede nacional de emergência e urgência, Relatório CRRNEU. Retirado de: https://www.dgs.pt/ficheiros-de-upload-2013/cnt-rel-crrneu-pdf.aspx.

Direção Geral da Saúde. (2010). Circular. Normativa Nº 7/DQS/DQCO de 31/03/2010

ENA. Emergency Nurses Assotiation. (2019). Trauma Nursing Core Course. The premier trauma nursing course for nurses and hospitals worldwide. Retirado de: https://www.ena.org/education/tncc

ENA. Emergency Nurses Assotiation. (2007). Trauma Nursing Core Course. Emergency Nurses Assotiation.

Farias, L.O. (2002). Interaction and conflict among professional categories in public hospitals. Cad. Saúde Pública, 18(5), 1229-1241.Retirado de: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102311X2002000500015&lng=en&nrm=iso>.

Georgiou, A. & Lockey, D.J. (2010) The performance and assessment of hospital trauma teams.Scandinavian Journal of Trauma. Resuscitation and Emergency Medicine, 18, 66.

Gomes, E., Araújo, R., Carneiro, A., Dias, C., Lecky, F., & Costa-Pereira, A. (2008). Mortality Distribution in a Trauma System: From Data to Health Policy Recommendations. European Journal of Trauma and Emergency Surgery, 561-569.

Krueger, R. A. & Casey, M. A. (2009) Focus groups: A pratical guide for applied research (4th Ed.). Thousand Oaks, California: Sage.

Lansink, K., & Leenen, L. (2007). Do designated trauma systems improve outcome?. Current Opinion in Critical Care, 13, 686-690.

Massada, S. (2002). Avaliação e ressuscitação do doente com trauma grave. Normas de orientação clínica e administrativa. Porto: Grupo de Trauma do Hospital de São João.

Miller, S. (2010). How Trauma Networks Can Improve Patient Care. Emergency Nurse, 18, 14-18.

Mock, C., Juillard, C., Brundage, S., Goosen, J., & Joshipura, M. (2009). Guidelines for Trauma Quality Improvement Programmes. Geneva: World Health Organization.

Morgan, D.L. (1997). Focus group as qualitative research (2nd ed.). Thousand Oaks, California: Sage.

Ordem dos Médicos. (2009). Normas de Boa Prática em Trauma. Lisboa: Ordem dos Médicos.

Organização Mundial de Saúde. (2004). Guidelines for essential trauma care. Geneva.

Verão, P. (2013). Abordagem à vítima de trauma na fase pré-hospitalar: Avaliação do papel das equipas de bombeiros (Dissertação de Mestrado). Covilhã: Universidade da Beira Interior. Retirado de Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.6/1503

Wehbe, G., & Galvão, C. M. (2001). O enfermeiro de unidade de emergência de hospital privado: algumas considerações. Revista Latino Americana de Enfermagem, 9(2), 86-90. doi:10.1590/s0104-11692001000200012