Contenção mecânica: perceção dos Enfermeiros

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

imobilização; paciente; enfermeiro; prática

Como Citar

Rodrigues, A., Gonzaléz, L., Castro, P., Silva, R., Teixeira, R., Martins, S., Mota, L., & Príncipe, F. (2020). Contenção mecânica: perceção dos Enfermeiros. Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 3(1), 31-41. https://doi.org/10.37914/riis.v3i1.70

Resumo

Enquadramento: a contenção mecânica é uma prática frequentemente utilizada pelos Enfermeiros nos hospitais. O recurso à contenção está associado a problemas físicos, psicológicos, éticos e legais. Objetivos: identificar os conhecimentos e a prática dos enfermeiros sobre contenção mecânica; identificar a representação social da contenção mecânica para os enfermeiros. Metodologia: estudo qualitativo, do tipo exploratório, com uma amostra de 250 enfermeiros que responderam a um questionário elaborado no programa Google Forms. O tratamento e análise de dados foi efetuado no Software IRAMUTEQ. Resultados: mais de metade dos enfermeiros não conhece a orientação da Direção Geral de Saúde relativa à contenção de doentes e poucos têm formação específica, embora a pratiquem com frequência e sem intercorrências. Muitas vezes recorrem a técnicas que a previnem. A análise de similitudes destaca no corpus textual a prevenção, segurança e imobilização, como pensamentos dos enfermeiros. A segurança assume o núcleo central nos pensamentos relacionados com o doente e a tristeza nos pensamentos relativos à família. Conclusão: os enfermeiros praticam frequentemente a contenção mecânica por segurança, mas esforçam-se por evitá-la. Neste processo, valorizam mais os pensamentos dos familiares que os dos doentes.

https://doi.org/10.37914/riis.v3i1.70

Referências

Choi, E., & Song, M. (2003) - Physical restraint use in a Korean ICU. Seoul. Journal of Clinical Nursing. 12(5), 651-659.

Código Deontológico dos Enfermeiros (2015). Estatuto da Ordem dos Enfermeiros Lei n.º 156/2015. In Portal Ordem dos Enfermeiros. Retirado de https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/legislacao/Documents/LegislacaoOE/CodigoDeontologico.pdf

DGS. Direção Geral da Saúde. (2007. Medidas preventivas de comportamentos agressivos/violentos de doentes – contenção física. Lisboa. Direção Geral da Saúde.

DGS. Direção Geral da Saúde. (2011). Prevenção de comportamentos dos doentes que põem em causa a sua segurança e sua envolvente. Lisboa. Direção Geral da Saúde.

Faria, H., Paiva, A., &Marques, P. (2012). A restrição física da mobilidade- estudo sobre aspetos ligados à sua utilização com fins terapêuticos. Revista de Enfermagem Referência, III Série (6),7-16

Fletcher, P.C., Hirdes, J.P. (2010) – Risk factors restriction in activity associated with fear of falling among seniors within the community. Journal of Patient Safety. 6(3), 187-191 Hamers, J.P., & Huizing, A. R. (2005) Why physical restraints in the elderly. Zeitschrift für Gerontologie und Geriatrie. 38(1), 19-25.

Kontio, R., Valimaki, M., Putkonen, H., Kuosmanen, L., Scott, A., & Joffe, G. (2010) Patient restrictions,: Are there ethical alternatives to seclusion and restraint?, Nursing Ethics 17(1), 65-76. Retirado de http://www.sagepub.co.uk

Marchand, P., & Ratinaud, P. (2011). L’analyse de similitude appliquée aux corpus textuels: les primaires socialistes pour l’élection présidentielle française. Universidade de Toulouse, pp. 687-699. Retirado de http://lexicometrica.univparis3.fr/jadt/jadt2012/Communications/Marchand,%20Pascal%20et%20al.%20-%20L%27analyse%20de%20similitude%20appliquee%20aux%20corpus%20textuels .pdf

Martin, B., & Mathisen, L. (2005). Use of physical restraints in adult critical care: a bicultural study. American Journal of critical care, 14(2), 133-142. Retirado de http://ajcc.aacnjournals.org

Monteiro, C. [et al.] (2004) O paciente que manifesta agressividade na intervenção psiquiátrica: a repressentação do enfermeiro. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 8(3), 439-447.

Paes, M.P., Borba, L.O., & Maftum, M.A. (2011) Contenção física de pessoas com transtorno mental: percepções da equipa de enfermagem. Revista Ciência, Cuidados e Saúde. 240-247.

Segatore, M., & Adams, D. (2001) - Managing delirium and agitation in elderly hospitalized orthopaedic patients: Part 2 – Interventions. Orthopaedic Nursing. 20(2), 61-73.

Silva, S., Camargo, B., & Padilha, M. (2011) A Teoria das Representações Sociais nas pesquisas da Enfermagem Brasileira. Revista Brasileira de Enfermagem, 64(5), 947-951. Retirado de www.scielo.br/pdf/reben/v64n5/a22v64n5.pdf

Streubert, H., & Carpenter, D. R. (2013). Investigação qualitativa em enfermagem -Avançado o imperativo humanista (5 ed.). Lisboa: Lusodidacta.

Vilelas, J. (2017). Investigação: O Processo de Construção do Conhecimento (2º ed.). Lisboa:Edições Sílabo.