Intervenção de enfermagem e coping na transição para cuidador familiar

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

Familiar Cuidador; Estratégia de Adaptação; Cuidados de Enfermagem

Como Citar

Melo, R., Rua, M., Santos, C. ., Novais, S., Mota, L., Príncipe, F., & Silva, M. (2021). Intervenção de enfermagem e coping na transição para cuidador familiar. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 4(1), 61–73. https://doi.org/10.37914/riis.v4i1.119

Resumo

Enquadramento: os cuidadores familiares são aqueles que assumem em primeira linha o papel de cuidar do seu familiar com dependência. Sendo este um processo desgastante, repleto de obstáculos e gerador de stress e ansiedade, o cuidador recorre frequentemente a estratégias para lidar com estas situações, as estratégias de coping. Objetivo: caraterizar as estratégias de coping mais utilizadas pelos cuidadores familiares, antes e após a implementação de um Programa de Intervenção de Enfermagem. Metodologia: estudo quase-experimental, longitudinal, de metodologia quantitativa, com uma amostra de conveniência de 70 cuidadores familiares. Utilizados um questionário sociodemográfico e um instrumento de avaliação de estratégias de coping utilizadas, o Questionário Brief COPE. Análise estatística realizada com o recurso ao SPSS 23.0. Dados apresentam distribuição normal, pelo que foram utilizados testes paramétricos na sua análise. Resultados: cuidadores são maioritariamente idosos, do sexo feminino, baixa escolaridade, sem ocupação profissional e coabitam com o seu familiar dependente. Estratégias de coping mais utilizadas, tanto na avaliação inicial como final são Coping Ativo, Planear e Religião. Conclusão: verificou-se o recurso a um maior número de estratégias de coping, apesar de não se conseguir definir claramente um estilo de coping predominante. A importância do papel do enfermeiro na capacitação do cuidador familiar foi destacada.

https://doi.org/10.37914/riis.v4i1.119

Referências

Arestedt, L., Persson, C., & Benzein, E. (2013). Living as a family in the midst of chronic illness. Scandinavian Journal of Caring Sciences, 28, 29-37.

Azman, A., Singh, P. S. J., & Sulaiman, J. (2017). Caregiver coping with the mentally ill: a qualitative study. HJournal of Mental Health, 26(2), 98-103. https://doi.org/10.3109/09638237.2015.1124395

Branco, M. J., & Paixão, E. (2008). Uma Observação sobre Cuidados Continuados no Domicílio. Lisboa.

Carver, C. S., Scheier, M. F., & Weintraub, J. (1989). Assessing Coping Strategies: A Theoretically Based Approach. Journal of Personality and Social Psychology, 56(2), 267-283.

Cruz, D. C. M., Loureiro, H. A. M., Silva, M. A. N. C. G. M. M., & Fernandes, M. M. (2010). As vivências do cuidador informal do idoso dependente. Revista de Enfermagem Referência, III Série (2), 127-136.

Ferré-Grau, C., Sevilla-Casado, M., Lleixá-Fortuño, M., Aparicio-Casals, M. R., Cid-Buera, D., Rodero-Sanchez, V., & Vives-Relats, C. (2013). Effectiveness of Problem-solving technique in caring for family caregivers: a clinical trial study in an urban area of Catalonia (Spain). Journal of Clinical Nursing, 23, 288-295.

ICN. (2019). Browser CIPE. Retrieved from https://www.icn.ch/what-we-do/projects/ehealth-icnptm/icnp-browser

INE - Instituto Nacional de Estatística, I. P. (2012). Censos 2011 Resultados Definitivos - Portugal. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística

Lazarus, R. S., & Folkman, S. (1984). Stress, Appraisal, and Coping. New York: Springer Publishing Company, Inc.

Machado, B. M., Dahdahb, D. F., & Kebbe, L. M. (2018). Caregivers of family members with chronic diseases: coping strategies used in everyday life. Cad. Bras. Ter. Ocup, 26(2), 299-313. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAO1188

Martins, T., Araújo, M. d. F., Peixoto, M. J., & Machado, P. P. (2016). A Pessoa Dependente e o Familiar Dependente. Loures: Lusodidacta

Meleis, A. I. (2010). Transitions Theory - Middle-Range and Situation-Specific Theories in Nursing Research and Practice. New York: Springer Publishing Company.

Mingote, C., Corte, A., Marques, E., & Mendes, R. (2020). Estratégias de Coping de Cuidadores Informais de Idosos Dependentes. Egitania Sciencia, 27

Ministério da Saúde. (2015). A Saúde dos Portugueses. Perspectiva de 2015. Lisboa: Direção-Geral da Saúde.

PORDATA. (2021). Base de Dados Portugal Contemporâneo. Retrieved from https://www.pordata.pt/Portugal/Indicadores+de+envelhecimento-526-3741

Ribeiro, J. L. P., & Rodrigues, A. P. (2004). Questões Acerca do Coping: A Propósito do Estudo de Adaptação do Brief Cope. Psicologia, Saúde & Doenças, 5(1), 3-15.

Salehi-tali, S., Ahmadi, F., Zarea, K., & Fereidooni-Moghadam, M. (2018). Commitment to care: the most important coping strategies among family caregivers of patients undergoing haemodialysis. Scandinavian Journal of Caring Science, 32, 82-91. https://doi:10.1111/scs.12432

Sequeira, C., Lange, C., Sousa, L., & Llano, P. (2018). Cuidar de Idosos com Dependência Física e Mental (2ª ed.). Lisboa: Lidel.

Sequeira, C., & Sampaio, F. (2020). Enfermagem em Saúde Mental - Diagnósticos e Intervenções (1ª ed.). Lisboa: Lidel.

Tabeleão, V., Tomasi, E., & Quevedo, L. d. A. (2017). A Randomized, Controlled Trial of the Effectiveness of a Psychoeducational Intervention on Family Caregivers of Patients with Mental Disorders. Mental Health Journal, 54, 211-217

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Ricardo Melo, Marília Rua, Célia Santos, Sónia Novais, Liliana Mota, Fernanda Príncipe, Marta Silva