Representação social do enfermeiro sobre a visita no pós-operatório em clientes cirúrgicos

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

enfermeiro; dor aguda; representação social; visita pós-operatória

Como Citar

Silva, C., Soares, L., Ferreira, M. A., Jesus, S., Príncipe, F., & Mota, L. (2019). Representação social do enfermeiro sobre a visita no pós-operatório em clientes cirúrgicos . Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 2(2), 47-57. https://doi.org/10.37914/riis.v2i2.58

Resumo

Enquadramento: a dor aguda do pós-operatório define-se como a dor existente num cliente após ter sido submetido a um procedimento cirúrgico. Com o intuito de diminuir ou eliminar a dor pós-operatória recomenda-se que o seu controlo aconteça antes, durante e após um procedimento cirúrgico e que a sua reavaliação faça parte integrante deste processo. Objetivo: explorar a representação social do enfermeiro sobre a visita no pós-operatório em clientes cirúrgicos com dor aguda. Metodologia: estudo qualitativo exploratório, orientado pela teoria das representações sociais. Participaram no estudo 73 enfermeiros. O instrumento de recolha de dados foi um questionário (googledocs) com um Teste de Associação Livre de Palavras e análise de dados com recurso ao Iramuteq.   Resultados: os enfermeiros de anestesia e os dos serviços cirúrgicos quando pensam na visita no pós-operatório, em clientes com dor aguda, remetem para o trabalho em equipa. Estes profissionais valorizam a dor, a vigilância, o controlo e o alívio da dor. Conclusão: a representação social do enfermeiro na visita do pós-operatório tem a equipa como núcleo central, salientando a importância da vigilância e do controlo da dor, para promover o seu alívio.

https://doi.org/10.37914/riis.v2i2.58

Referências

Araujo, L., & Romero, B. (2015). Dor: Avaliação do 5º sinal vital. Uma reflexão teórica. Revista Dor Pesquisa Clínica e Terapêutica, 16(4), 291-296
Colquhoun, L., Shepherd, V., & Neil, M. (2019). Pain management in new amputees: a nursing perspective. British Journal of Nursing, 28(10), 638-646. https://doi.org/10.12968/bjon.2019.28.10.638
Conselho Internacional de Enfermeiros. (2016). CIPE® Versão 2015 - Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem. Loures: Lusodidata
Dany, L., Urdapilleta, I., & Lo Monaco, G. (2015). Free associations and social representations: some reflections on rank-frequency and importance-frequency methods. Quality and Quantity, 49, 489-507
Direção Geral de Saúde. (2003). A Dor como 5º sinal vital. Registo sistemático da intensidade da Dor. Circular Normativa Nº9/DGCG. Lisboa: Ministério da Saúde.
Ferreira, M. D. (2016). Teoria das Representações Sociais e Contribuições para as Pesquisas do Cuidado em Saúde e de Enfermagem. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 20(2), 214-215.
Fontes, K., & Jaques, A. (2007). O papel da Enfermagem frente ao monitoramento da dor como 5º sinal vital. Ciência, Cuidado e Saúde, 6(Suplem.2), 481-487.
Fortin, M.F., Cótê, J., & Filion, F. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures: Lusodidata.
Garcia, J. B., Bonilla, P., Kraychete, D. C., Flores, F. C., Valtolina, E. P., & Guerrero, C. (2017). Aprimorar o controle da dor no pós-operatório na América Latina. Revista Brasileira de Anestesiologia, 67, 395-403.
International Association for the Study of Pain - IASP. (2009). Diretrizes da IASP 2009. Retirado de https://www.iasp-pain.org/Education/Content.aspx?ItemNumber=1381
Marchand, P., & Ratinaud, P. (2011). L’analyse de similitude appliquée aux corpus textuels: les primaires socialistes pour l’élection présidentielle française. Toulouse: Université de Toulouse.
Moscovici, S. (2003). O fenómeno das representações sociais. In S. Moscovici (Ed.), Representações sociais: investigações empsicologia social (pp. 29-109). Petrópolis: Vozes.
Ordem dos Enfermeiros. (2008). Dor - Guia orientador de boa prática . Lisboa: Ordem dos Enfermeiros.
Quadros, L., & Borges, R. (2016). Dor pós-operatória. In C. H. Vouga, C. H. Leiria, C. H. Viseu, & C. H. Coimbra, Manual de Cuidados Pós-Anestésicos (pp. 120-131). Coimbra.
Queiróz, D. T., Carvalho, M. A., Carvalho, G. D., Santos, S. R., Moreira, A. S., & Silveira, M. ( 2015). Dor – 5º sinal vital: conhecimento de enfermeiros. Revista de Enfermagem UFPE On Line, 9(4), 7186-92. Retirado de https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/downlood/10477/11322
Shug, S. A. (2011). The global year against acute pain. Anaesthesia and Intensive Care, 39, 1-14
Souza, V., & Corgozinho, M. (2016). A enfermagem na avaliação e controle da dor pós-operatória. Revista Científica Sena Aires, 5(1), 70-78.
SPA. (2018). Conselhos da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia - SPA. Recomendações Portuguesas para as Unidades de Dor Aguda. Porto, Portugal.
Xavier, A. T., Lima, M. K., Rodrigues, B. T. M., Cavalcanti, M. C., & Queiroga S. S. (2018). Evaluation of Postoperative Pain under the Nurse’s Point of View. Journal of Nursing UFPE / Revista de Enfermagem UFPE, 12(9), 2436–2441. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i9a234730p2436-2441-2018