Representação social da enfermagem de reabilitação: pensamento social dos enfermeiros

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

enfermagem em reabilitação
psicologia social
enfermeiros

Como Citar

de Jesus Oliveira, I., Ferreira, E., Neves, D., Carvalho, A. M., Silva, M. ., Serrano, L., & Delgado, B. (2021). Representação social da enfermagem de reabilitação: pensamento social dos enfermeiros. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 4(1), 35–46. https://doi.org/10.37914/riis.v4i1.124

Resumo

Enquadramento: a qualidade em saúde é uma tarefa multiprofissional, na qual a enfermagem de reabilitação acrescenta valor pelo que, a compreensão a sua a representação social, poderá proporcionar contributos relevantes para aumentar a visibilidade da profissão e promover mudanças nas práticas e nos contextos de prática clínica. Objetivo: descrever a representação social da enfermagem de reabilitação para os enfermeiros. Metodologia: estudo qualitativo, exploratório e descritivo, numa amostra não probabilística acidental com 110 participantes, tendo como população alvo enfermeiros. A recolha de dados foi efetuada através de um teste de associação livre de palavras, por meio eletrónico, aos enfermeiros da rede de contatos de uma instituição de ensino superior. O tratamento de dados foi realizado através do software informático IRAMUTEQ. Resultados: O núcleo central da representação social evidenciou as expressões autonomia, recuperação e cinesiterapia, reforçado pela primeira periferia – independência, treino de marcha e cuidar. Domínios emergentes ou competências comuns, como o exercício físico e a gestão, foram menos relevantes para a estrutura da representação social. Conclusão: Não se conseguindo construir dentro da profissão um pensamento social que traduza o mandato social da enfermagem de reabilitação, a população poderá igualmente não o alcançar, o que poderá ter implicações na procura em cuidados.

https://doi.org/10.37914/riis.v4i1.124

Referências

Abric, J. (2011). Les représentations sociales: aspects théorétiques. In J.Abric (Ed.), Pratiques Sociales et Représentations (pp. 15–46). Paris, France: Quadrigue/Presses Universitaires de France.

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2018). Tutorial para uso do software IRaMuTeQ. Retirado de IRaMuTeQ: http://www.iramuteq.org/documentation/fichiers/tutoriel-portugais-22-11-2018

Coutinho, M.L., Bú, E. (2017). A Técnica de Associação Livre de Palavras sobre o Prisma do Software Tri-Deux-Mots (version 5.2). Revista Campo do Saber, 3(1), 219-243. Recuperado de: https://periodicos.iesp.edu.br/index.php/campodosaber/article/viewFile/72/58

De Rosa, A.M., Bocci, E., & Dryjanska, L. (2018). The Generativity and Attractiveness of Social RepresentationsTheory from Multiple Paradigmatic Approaches in Various Thematic Domains:An Empirical Meta-theoretical Analysis on Big-data Sources from the Specialised Repository “SoReCom‘A.S.de Rosa’ @-library”. Papers on Social Representations, 27(1), 6.1-6.35. Recuperado de: http://psr.iscte-iul.pt/index.php/PSR/index

Ferreira, C., Lisboa, C., Moreira, D., Sousa, G., Teixeira, T., Príncipe, F., & Mota, L. (2019). Transporte inter-hospitalar do doente crítico: representação social dos enfermeiros. Revista de Investigação & Inovação em Saúde, 2(2), 29-38. https://doi.org/10.37914/riis.v2i2.55

Fronteira, I., Jesus, E.H., & Dussault, G. (2020). A enfermagem em Portugal aos 40 anos do Serviço Nacional de Saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 25(1), 272-282.https://doi.org/10.1590/1413-81232020251.28482019

Gaspar, L., Ferreira, D., Vieira, F., Machado, P., & Padilha, M. (2019). O Treino de Exercício em Pessoas com Doença Respiratória Crónica Estabilizada: uma Scoping Review. Revista Portuguesa de Enfermagem de Reabilitação, 2(1), 59–65. https://doi.org/10.33194/rper.2019.v2.n1.08.4567

Lei n.º 156/2015, de 16 de Setembro. Diário da República n.º 181 – I Série. Assembleia da República. Lisboa, Portugal.

Lopes, G., Rolim, I., Alves, R. S., Pessoa, T., Maia, E. R., Lopes, M., … Queiroz, R. (2021). Social representations on diabetic foot: contributions to PHC in the Brazilian Northeast. Representações sociais sobre pé diabético: contribuições para Atenção Primária à saúde no Nordeste brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, 26(5), 1793–1803. https://doi.org/10.1590/1413-81232021265.04702021

Martins, M. M., Ribeiro, O., & Silva, J.V. (2018). O Contributo dos Enfermeiros Especialistas em Enfermagem de Reabilitação para a Qualidade dos Cuidados. Revista Portuguesa De Enfermagem De Reabilitação, 1(1), 22–29. https://doi.org/10.33194/rper.2018.v1.n1.04.4386

Meleis, A.I. (2015). Transitions Theory. Em M. Smith, & M.E. Parker (Ed.), Nursing theories and nursing practice (4th Edition ed., pp. 361-380). F. A. Davis Company.

Moscovici, S. (1981). On social representations. Em J.P. Forgas (org.), Social Cognition - Perspectives on Everyday Understanding. London: AcademicPress.

Ordem dos Enfermeiros (2018). Padrões de Qualidade dos Cuidados Especializados em Enfermagem de Reabilitação. Lisboa, Portugal: Autor. Retirado de: https://www.ordemenfermeiros.pt/media/8192/ponto-4_regulamento-dos-padr%C3%B5es-qualidade-ceer-1.pdf

Ravn, I. M., Beedholm, K., Frederiksen, K., Kvangarsnes, M., Foss, I. C., & Knutsen, I. R. (2020). In search of the changeable: An analysis of visual representations of nursing in Norwegian and Danish professional nursing journals, 1965-2016. Nursing Inquiry, 27(3), e12340. https://doi.org/10.1111/nin.12340

Regulamento n.º392/2019, de 3 de maio. Diário da República n.º 85 – II Série. Ordem dos Enfermeiros. Lisboa, Portugal.

Regulamento n.º 140/2019, de 6 de fevereiro. Diário da República n.º 26 – II Série. Ordem dos Enfermeiros. Lisboa, Portugal.

Regulamento n.º 168/2011, de 8 de março. Diário da República n.º 47 – II Série. Ordem dos Enfermeiros. Lisboa, Portugal.

Rubira-García, R., Puebla-Martínez, B., & Gelado-Marcos, R. (2018). Social Representations in Studying Information, Knowledge, and Mediations: A Critical Review. Social Sciences, 7(12), 256. http://dx.doi.org/10.3390/socsci7120256

Tavares, D.W., Brito, R.C., Córdula, A.C., Silva, J.T., & Neves, D.A. (2014). Protocolo verbal e teste de associação livre de palavras. Ponto de Acesso, 8(3), 64-79. Retirado de https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaici

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Isabel de Jesus Oliveira, Elisabete Ferreira, Daniela Neves, Ana Margarida Carvalho, Mariana Silva, Liliana Serrano, Bruno Delgado