Perspetivas das Pessoas que Recebem Más Notícias em Contexto Hospital: Revisão Integrativa
PDF

Palavras-chave

más notícias; perspetivas; pacientes, estratégias

Como Citar

Apolónia, A., Moreira, B., Silva, D., Castro, F., Oliveira, J., & Mota, L. (2018). Perspetivas das Pessoas que Recebem Más Notícias em Contexto Hospital: Revisão Integrativa. Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 1(1), 109-118. https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.36

Resumo

Enquadramento: a transmissão de más notícias é uma realidade incontornável na prática de enfermagem. O estabelecimento de um processo de comunicação eficaz implica disponibilidade, capacidade de escuta e de compreensão. Objetivo: conhecer as perspetivas das pessoas que recebem más notícias e compreender o impacte que estas notícias representam na vida das mesmas. Metodologia: revisão integrativa da literatura nas bases de dados Academic Search Complete, Medline with full text e CINAHL Plus with full text, selecionando um total de sete estudos publicados entre 2011 e 2016. Resultados: aquando o momento de transmissão de notícias desfavoráveis os profissionais de saúde devem considerar o contexto familiar e social do doente. A informação a ser partilhada, o momento e a responsabilidade da partilha, os métodos utilizados na comunicação e a reação dos doentes ao que lhes é comunicado deverão também constituir foco da sua atenção. Conclusão: é transversal a importância que a comunicação clara e eficaz tem na transmissão de más notícias para os doentes e suas famílias e o impacto que pode ter no decurso da doença.

https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.36
PDF

Referências

rber, A., & Spencer, L. (2013).'lt's all bad news': the first 3 months following a diagnosis of malignant pleural mesothelioma. Psychooncology. 22(7):1528-33. doi: 10.1002/pon.3162.
Abazari, P. (2016). Exploring perceptions and preferences of patients, families, physicians, and nurses regarding cancer disclosure: a descriptive qualitative study. Retirado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27296237
Antunes, N. L. (2008). Sinto Muito. Lisboa: Verso da Kapa.
Barbosa, A., & Neto, 1. (2006). Manual de Cuidados Paliativas. Lisboa: Núcleo de Cuidados Paliativos do Centro de Bicética da Faculdade de Medicina.
Corey, V., & Gwyn, P. (2016). Experiences of Nurse in Communicating Bad News to Cancer Patients. Journal of the Advanced Practitioner in Oncology, 7(5), 485-494. Retirado de https://www.advancedpractitioner.com/issues/vol u me-7,­n um ber -5-(j u la ug-2016 )/ experiences-of-n u rse-
pra ctition ers-i n-co mm u n icati ng-ba d n ews-to-ca ncer­patients.aspx
Dias, M. (2005). A esmeralda perdida: a informação prestada ao doente oncológico. Lisboa: Climepsi Editores.
Ewing, G., Ngwenya, N., Benson, J., Gilligan, D., Bailey, S., Seymour, J., & Farquhar, M. (2015) . Sharing news of a lung cancer diagnosis with adult family members and friends: a qualitative study to inform a supportive ntervention. Patiente Education & Counseling,99(3), 378-385
Gineste, V., & Pellissier, J. (2007). Humanitude Cuidar e Compreender a Velhice. Lisboa: Instituto Piaget.
Gonçalves, A. (2013). Comunicação de más notícias a pessoas com doença Oncológica: a necessidade de implementar a (bio)ética na Relação - um estudo exploratório. (Tese de Mestrado). Lisboa: Universidade de Lisboa: Faculdade de Medicina.
Guarda, H. et ai. (2006). Apoio à família. Manual de Cuidados Paliativas. Lisboa: Faculdade de Medicina de Lisboa, Centro de Bioética, Núcleo de Cuidados Paliativos.
ICN (2015). Classificação internacional para a prática de enfermagem. Retirado de https://www.flipsnack.com/ordemenfermeiros/catalogo­ciper-2015.html
Leal, F. (2003). Transmissão de más notícias. Revista Clínica Geral, 18(1), 40-43
Ko, E., Nelson-Becker, H., Shin, M. & Park, V. (2014). Preferences and Expectations for Delivering Bad News Among Korean Older Adults. Journal of Social Service Research, 40(2), 462-414
Maher, K., & Vries, K. (2010). An exploration of the lived experiences of individuais with relapsed Multiple Myeloma. European Journal of Cancer Core, 20, 267-275. https://doi.org/10.llll/j.1365-2354.2010.01234.x
Meleis, et ai. (2000). Experiencing transicions: an emerging middle-range theory. Advance in Nursing Science, 23(81), 12-28. Retirado de https://www.researchgate.net/publication/12352146_Exp eriencing_Transitions_An_Emerging_Middle-
Range_ Theory
Morris, D., Johnson, K., Ammarell, N., Arnold, R., Tulsky, J., & Steinhauser K., (2012). What is Your Understanding of Your lllness? A Communication Tool to Explore Patients' Perspectives of Living with Advanced lllness. Journal of General Internai Medicine, 27(11) 1460-1466
Pereira, M. (2008). Comunicação de más notícias e gestão do luto. Coimbra: Formasau.
Querido, A. et ai. (2006). Comunicação. Manual de Cuidados Paliativas. Faculdade de Medicina de Lisboa, Centro de Bioética, Núcleo de Cuidados Paliativas: Lisboa.
Rebelo, J. (2009). Amor, Luto e Solidão. Alfragide: Casa das Letras.
Rego, A. (2009). Um ramo de amendoeira. Águeda: Paulinas.
Ribeiro, G. et ai. (2005). O paciente crítico em uma unidade de terapia intensiva: uma revisão da literatura. REME. Revista Mineira de Enfermagem, 9(4), 371-377. Retirado de http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/487
Schaepe, K.S., (2011).Bad news and first impressions: patient and family caregiver accounts of learning the cancer diagnosis. Soe Sei Med, 73(6),912-21. doi: 10.1016/j.socsci med. 2011.06. 038.
Sousa, J. (2009). A Vida é um Minuto o poder e a imagem. Alfragide: Oficina do livro.
Kirshblum, S., Botticello A., DeSipio, G., Fichtenbaum, J., Shah, A., & Scelza, W.(2016). Breaking the news: A pilot study on patient perspectives of discussing prognosis after traumatic spinal cord injury. The Journal of Spinal Cord Medicine, 39(2), 155-161 DOI: 10.1179/2045772315Y.0000000013
Warnock, C. et ai. (2010). Breaking bad news in in patient clinical settings: role of the nurse. Journal of Adavanced Nursing. Reino Unido, 66(7), 1543-55.