Representação do conhecimento em enfermagem – a família como cliente

Palavras-chave

enfermagem de família
sistemas de informação
bases de conhecimento
família

Como Citar

Bastos, F., Cruz, I., Campos, J. ., Brito, A., Parente, P. ., & Morais, E. (2022). Representação do conhecimento em enfermagem – a família como cliente. Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 5(1), 81–95. https://doi.org/10.37914/riis.v5i1.213

Resumo

Enquadramento: a família é o contexto privilegiado de cuidados de suporte à vida e saúde dos indivíduos. A abordagem sistémica da família tem, conceptualmente vindo a ganhar projeção. A Ontologia de Enfermagem, propõe uma estrutura onde os conceitos da disciplina e as suas relações são especificados, descrevendo uma representação formal do conhecimento de enfermagem. Objetivos: representar o conhecimento em enfermagem sobre a família como cliente dos cuidados, em três classes de itens de informação: dados, diagnósticos e intervenções. Metodologia: estudo qualitativo inferencial; realizada análise documental à parametrização do Sistema de Apoio à Prática de Enfermagem - SAPE®, revisão da literatura e focus group. Resultados: na parametrização nacional constatou-se pouca visibilidade da família como unidade de cuidados bem como a ausência de representação dos modelos concetuais que suportam o conhecimento disciplinar. Na Ontologia de Enfermagem, o processo familiar engloba: organização do funcionamento da casa e edifício residencial; preparação da família para integrar um familiar dependente no autocuidado; preparação da família para a chegada do recém-nascido; e, planeamento familiar. Para cada domínio foram especificadas três classes de informações de enfermagem. Conclusão: Este estudo apresenta-se como um contributo para a formalização do conhecimento de enfermagem no domínio do Processo Familiar.

https://doi.org/10.37914/riis.v5i1.213

Referências

Bastos, F. (2013). A pessoa com doença crónica. Uma teoria explicativa sobre a problemática da gestão da doença e do regime terapêutico. [Tese de Doutoramento não publicada]. ICS, Universidade Católica Portuguesa. https://www.porto.ucp.pt/en/node/1872

Bastos, F., Morais, E., Campos, J., Brito, A., Cardoso, A., & Sousa, P. (2021). Representação do conhecimento em enfermagem do trabalho: dados relevantes face à saúde individual do trabalhador sob influência do ambiente laboral. Revista ROL de Enfermería, 44(11), 51-56.

Brito, Alice (2013). A reconstrução da autonomia após um evento gerador de dependência no autocuidado - Uma teoria explicativa. [Tese de Doutoramento não publicada]. ICS, Universidade Católica Portuguesa. https://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/12617

Campos, M. J. (2019). Contributos para um modelo de gestão de qualidade dos cuidados de enfermagem nas equipas de cuidados continuados integrados. [Tese de Doutoramento não publicada]. ICS, Universidade Católica Portuguesa. https://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/36298

Cruz, A., & Pedreira, M. (2020). Patient-and Family-Centered Care and Patient Safety: reflections upon emerging proximity. Revista Brasileira de Enfermagem - REBEn, 6(e20190672), 1-4.

Cruz, I., Bastos, F., Pereira, F., Silva, A., & Sousa, P. (2016). Analysis of the Nursing Documentation in Use in Portugal - Building a Clinical Data Model of Nursing Centered on the Management of Treatment Regimen. Studies in Health Technology and Informatics, 225, 407-411. doi:10.3233/978-1-61499-658-3-407

Decreto-Lei n.º 118/2014 do Ministério da Saúde. (2014). Diário da República: I Série, n.º 149/14. https://files.dre.pt/1s/2014/08/14900/0406904071.pdf

Fernandes, C. S., Magalhães, B., Silva, S., & Edra, B. (2021). (Re)'Thinking' family in nursing care in pandemic times. International nursing review, 10.1111/inr.12708. Advance online publication. https://doi.org/10.1111/inr.12708

Figueiredo, H. (2012). Modelo dinâmico de avaliação e intervenção familiar. Uma abordagem colaborativa em enfermagem de família. Lusociência.

Gomes, J., Sousa, P., Pereira, F., Bastos, F., Prata, A., & Silva, C. (2021). Análise de conteúdo aos diagnósticos e intervenções tegumentares: O primeiro passo para um modelo de cicatrização de feridas . New Trends in Qualitative Research, 8, 606–616. https://doi.org/10.36367/ntqr.8.2021.606-616

Gomes, J., Sousa, P., Pereira, F., Queirós, C., Neves, H., Silva, C., Silva, A.P., Parente, P., Sousa, P., Brito, A., Silva, A. P., Morais, E. J., Cardoso, A., Cruz, I., Machado, N., Oliveira, F., Bastos, F., Prata, P., & Sequeira, C. (2022). Nursing knowledge on skin ulcer healing: a living scoping review protocol. JBI Evidence Synthesis, 20(1), 164-172.

International Family Nursing Association (IFNA). (2015). IFNA Position Statement on Generalist Competencies for Family Nursing Practice. https://internationalfamilynursing.org/2015/07/31/ifna-position-statement-on-generalist-competencies-for-family-nursing-practice/

Institute for Patient- and Family-Centered Care (2017). Advancing The Practice Of Patient- And Family-Centered Care: How To Get Started. https://www.ipfcc.org/resources/getting_started.pdf

Kokorelias, K., Gignac, M., Naglie, G., & Cameron, J. (8 de 2019). Towards a universal model of family centered care: a scoping review. BMC Health Services Research, 19(564), 1-11. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6693264/pdf/12913_2019_Article_4394.pdf

Neves, H., & Parente, P. (2019). A nursing clinical data model for neuromuscular processes:. Ciência & Saúde Coletiva, 24(5), 1609-1616. https://doi.org/10.1590/1413-81232018245.04462019

Olson, D. H., Portner, J. & Bell, R. Q. (1982). FACES II: Family Adaptability and Cohesion Evaluation Scales. EUA: University of Minnesota.

Ordem dos Enfermeiros. (2015). Regulamento n.º 367/2015. Regulamento dos Padrões de Qualidade dos Cuidados Especializados em Enfermagem de Saúde Familiar. https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo-de-p%C3%A1ginas-antigas/regulamento-dos-padr%C3%B5es-de-qualidade-em-enfermagem-de-sa%C3%BAde-familiar-publicado-em-di%C3%A1rio-da-rep%C3%BAblica/

Ordem dos Enfermeiros, sd. Consultada em 10/2021. https://ontologia.ordemenfermeiros.pt/Browser

Peace, J., & Brennan, P. (2009). Formalizing Nursing Knowledge: From Theories and Models to Ontologies. Stud Health Technol Inform, 146, 347-351. doi:10.3233/978-1-60750-024-7-347

Pereira, F. (2009). Informação e qualidade do exercício profissional dos enfermeiros. Formasau.

Pereira, F., Paiva, A. (2010) Information technology and nursing practice: the Portuguese case. In: Weaver C, Delaney C, Weber P, Carr R, editors. Nursing and informatics for the 21st century: an international look at practice, education and EHR trends. 2nd ed. HIMSS Publishing; 435 – 441.

Queirós, C., Paiva, M., Cruz, I., Cardoso, A., & Morais, E. (2021). Nursing diagnoses focused on universal self-care requisites. International Nursing Review, 68(3), 328-340. doi:10.1111/inr.12654

Russell, L. (2020). Capturing Family Complexity in Family Nursing Research and Practice. Journal of Family Nursing, 26(4), 287–293.

Shields, L. (2010). Questioning family-centred care. Journal of Clinical Nursing, 19, 2629–2638. doi: 10.1111/j.1365-2702.2010.03214.x

Silva, A. (2006). Sistemas de Informação em Enfermagem. Uma teoria explicativa da mudança. Formasau.

Silva, A., Cardoso, A., Sequeira, C., Morais, E., Bastos, F., Pereira, F., Padilha, J., Cruz, I., Oliveira, M., Brito, A., Silva, M., Machado, N., Sousa, P., Sousa, P. & Marques, P. (2014). Análise da parametrização nacional do Sistema de Apoio à Prática de Enfermagem - SAPE. ESEP.

Smilkstein, G. (1978). The family APGAR: a proposal for a family function test and its use by physicians. J fam pract, 6(6), 1231-9.

Smith, J., Ali, P., Birks, Y., Curtis, P., Fairbrother, H., Kirk, S., Saltiel, D., Thompson, J., Swallow, V. (2020). Umbrella review of family-focused care interventions supporting families where a family member has a long-term condition. Journal of Advanced Nursing, 77, 1911-1923. doi: 10.1111/jan.14367

Sousa, P. (2006). Sistema de Partilha de Informação de Enfermagem Entre Contextos de Cuidados de Saúde Um modelo explicativo. Formasau.

Sousa, P.C. (2014). O exercício parental durante a hospitalização do filho: intencionalidade terapêuticas de enfermagem face á parceria de cuidados [Tese de Doutoramento não publicada]. Universidade Católica Portuguesa. https://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/13972

Strudwick, G., & Hardiker, N. (2016). Understanding the use of standardized nursing terminology and classification systems in published research: A case study using the International Classification for Nursing Practice®. International Journal of Medical Informatics, 94, 215-221. doi: 10.1016/j.ijmedinf.2016.06.012

Thirsk, L., Vandall-Walker, V., Rasiah, J., & Keyko, K. (2021). A Taxonomy of Supports and Barriers to Family-Centered Adult Critical Care: A Qualitative Descriptive Study. (SAGE, Ed.) Journal of Family Nursing, 27(3), 199-211. doi: 10.1177/1074840721999372

Wright, L. M., & Leahey, M. (2019). Nurses and families: A guide to family assessment and intervention (7th ed.). F. A. Davis.

Zhang Y. (2018). Family functioning in the context of an adult family member with illness: A concept analysis. Journal of clinical nursing, 27(15-16), 3205–3224. https://doi.org/10.1111/jocn.14500

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2022 Fernanda Bastos, Inês Cruz, Joana Campos, Alice Brito, Paulo Parente, Ernesto Jorge Morais