Do internamento para a comunidade – o cuidador informal na transição

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

cuidador
continuidade da assistência ao paciente
enfermagem
enfermagem domiciliar

Como Citar

Lima, T., Amaral, O., de Almeida, P. ., Carvalho, P. ., Marques, T. ., Pinto, A. R. ., & Coimbra, T. . (2022). Do internamento para a comunidade – o cuidador informal na transição. Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 5(1), 47–58. https://doi.org/10.37914/riis.v5i1.191

Resumo

Enquadramento: o processo de transição entre instituições de internamento e o domicílio acarreta mudanças e adaptações sobretudo do cuidador informal. Objetivos: conhecer as dificuldades vivenciadas pelos cuidadores informais no cuidar o familiar/utente no domicílio; identificar as ferramentas utilizadas pelos mesmos para as ultrapassar; Conhecer os apoios que dispõem para a prestação de cuidados no domicílio; Conhecer a sua opinião sobre a importância de uma visita domiciliária antes do doente ir para domicílio e por fim criar um projeto de intervenção Integrar+. Metodologia: estudo qualitativo descritivo e exploratório com enfoque fenomenológico-hermenêutico e com uma amostra de 8 cuidadores. Recorreu-se à entrevista semiestruturada (ad hoc). Resultados: os cuidadores informais não se sentiam preparados para receber o familiar/utente no domicílio, a maioria não tinha a habitação adaptada. As necessidades mencionadas foram: físicas, psicológicas/emocionais, financeiras, sociais e indisponibilidade. Referiram o coping emocional, apoios familiar, social e para os autocuidados, capacitação dos cuidadores informais e familiar/utente e cuidados de saúde como estratégias. Conclusão: a articulação entre a Equipa de Cuidados Continuados Integrados e as entidades referenciadoras é fundamental para haver uma transição segura dos cuidados, com ganhos em saúde dos cuidadores informais/utentes/famílias.

https://doi.org/10.37914/riis.v5i1.191

Referências

Amaral, M.O.P., Matos, N.A.M., Veiga, N.J., & Matos, D.S.P. (2020). Problemas experienciados pelo cuidador informal de pessoa idosa em situação de dependência. Archives of Health Sciences, 27(1), 37-41. Doi: 10.17696/2318-3691.27.1.2020.1710.

Backman, C., & Cho-Young, D. (2019). Engaging patients and informal caregivers to improve safety and facilitate person- and family-centered care during transitions from hospital to home: A qualitative descriptive study. Patient Prefer Adherence, 13, 617-626. https://doi.org/10.2147/PPA.S201054

Choi, J., Lingler, J.H., Donahoe, M.P., Happ, M.B., Hoffman, L.A., & Tate, J.A. (2018). Home discharge following critical illness: A qualitative analysis of family caregiver experience. Heart Lung; 47(4), 401-407. doi: 10.1016/j.hrtlng.2018.04.003.

Dixe, M. A., Teixeira, L. F., Areosa, T. J., Frontini, R. C., Peralta, T., & Querido A. I. (2019). Needs and skills of informal caregivers to care for a dependent person: A cross-sectional study. BMC Geriatrics, 19, 255. Doi:10.1186/s12877-019-1274-0.

Hahn-Goldberg, S., Jeffs, L., Troup, A., Kubba, R., & Okrainec, K. (2018). "We are doing it together": The integral role of caregivers in a patients' transition home from the medicine unit. PloS One, 13(5), e0197831. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0197831

Instituto da Segurança Social (2021). Guia Prático – Estatuto do Cuidador Informal Principal e Cuidador Informal não Principal. Departamento de Prestações e Contribuições. https://www.segsocial.pt/documents/10152/17083135/8004_Estatuto+Cuidador+Informal+Principal+e +Cuidador+Informal+n%C3%A3o+Principal/edcbe0f7-3b85-48b8-ad98- 2e0b2e475dd4

Kiran, T., Wells, D., Okrainec, K., Kennedy, C., Devotta, K., Mabaya, G., Phillips, L., Lang, A., & O'Campo, P. (2020). Patient and caregiver experience in the transition from hospital to home: Brainstorming results from group concept mapping: A patient-oriented study. CMAJ Open, 8(1), E121–E133. https://doi.org/10.9778/cmajo.20190009

Lei n.º 100/2019 de 6 de stembro. (2019). Aprova o Estatuto do Cuidador Informal, altera o Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social e a Lei n.º 13/2003, de 21 de maio. Diário da República, 1(171), pp. 3-16. https://dre.pt/application/conteudo/124500714

Lilleheie, I., Debesay, J., Bye, A., & Bergland, A. (2020). Informal caregivers' views on the quality of healthcare services provided to older patients aged 80 or more in the hospital and 30 days after discharge. BMC Geriatrics, 20(1), 97. Doi: 10.1186/s12877-020-1488-1.

Maio, E. P. (2018). Capacidades do cuidador informal para cuidar da pessoa com dependência no autocuidado [Dissertação de Mestrado]. Instituto Politécnico de Leiria. https://iconline.ipleiria.pt/handle/10400.8/3841

Martins, R., & Santos, C. (2020). Capacitação do cuidador informal: o papel dos enfermeiros no processo de gestão da doença. Gestão e Desenvolvimento, (28), 117-137. https://doi.org/10.34632/gestaoedesenvolvimento.2020.9468

Melo, R., Rua, M., & Santos, C. (2014). Necessidades do cuidador familiar no cuidado à pessoa dependente: Uma revisão integrativa da literatura. Revista de Enfermagem Referência, 4(2), 143-151. https://doi.org/10.12707/RIV14003

Mendes, F. R. P., Gemito, M. L. G. P., Caldeira, E. C., Serra, I. C., & Casas-Novas, M. V. (2017). A continuidade de cuidados de saúde na perspetiva dos utentes. Ciência & Saúde Coletiva, 22(3), 841-853. Doi: 10.1590/1413-81232017223.26292015.

Menezes, N. G. A., Silva, G. K. R., Nascimento, M. N. B., Santos, R. D. O., & Barros, A. M. M. S. (2017). Um olhar da enfermagem voltado à importância da visita domiciliar na ESF: Uma revisão de literatura. literatura. CIE: Congresso Internacional de Enfermagem, 1(1). https://eventos.set.edu.br/cie/article/viewFile/5589/2285

Ministério da Saúde, Direção-Geral da Saúde. (2015). Plano nacional de saúde: Revisão e extensão a 2020. Direção-Geral da Saúde. http://pns.dgs.pt/files/2015/06/Plano-Nacional-de-Saude-Revisao-e-Extensao-a-2020.pdf.pdf

Mitchell, S.E., Laurens, V., Weigel, G.M., Hirschman, K.B., Scott, A.M., Nguyen, H.Q., Howard, J.M., Laird, L., Levine, C., Davis, T.C., Gass, B., Shaid, E., Li, J., Williams, M.V., & Jack, B.W. (2018). Care Transitions From Patient and Caregiver Perspectives. Ann Fam Med., 16(3), 225-231. doi: 10.1370/afm.2222.

Pereira, J.F.S. & Petronilho, F.A.S. (2018). Satisfação do Familiar Cuidador sobre o Planeamento da Alta Hospitalar. Revista Investigação em Enfermagem 22(3), 42-55. http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/53799/1/RIE_Satisfacao%20do%20FC%20sobre%20o%20planeamento%20da%20alta%20hospitalar_N%c2%ba22%2c%20Serie%202%20-%20fev2018.pdf

Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados. (2008).- Manual de planeamento e gestão de altas. http://www.arsnorte.min-saude.pt/wp-content/uploads/sites/3/2018/05/Manual_Planeamento_Gestao_Altas.pdf

Ugur, H. G., & Erci, B. (2019). The effect of home care for stroke patients and education of caregivers on the caregiver burden and quality of life. Acta Clínica Croatica, 58(2), 321–332. https://doi.org/10.20471/acc.2019.58.02.1

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2022 Teresa Lima, Odete Amaral, Pureza de Almeida, Paula Carvalho, Tânia Marques, Ana Raquel Pinto, Tânia Coimbra