Violência doméstica contra as mulheres: conhecimentos, atitudes e barreiras do enfermeiro de família

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

violência doméstica; enfermeiro de família; conhecimentos; atitude

Como Citar

Oliveira, I., Oliveira, C., Carvalho, J., Santos, N., & Torres, A. (2020). Violência doméstica contra as mulheres: conhecimentos, atitudes e barreiras do enfermeiro de família. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 3(2), 29–38. https://doi.org/10.37914/riis.v3i2.102

Resumo

Enquadramento: a violência doméstica é um problema de saúde pública. O enfermeiro de família, enquanto contacto privilegiado com mulheres e famílias, pode desempenhar um papel relevante na abordagem à mulher vítima de violência. Objetivo: identificar os conhecimentos, atitudes e barreiras dos enfermeiros de família na abordagem às mulheres vítimas de violência doméstica. Metodologia: desenho quantitativo, exploratório, descritivo e transversal, numa amostra não probabilística por conveniência, constituída por cinquenta enfermeiros de família. O instrumento de recolha de dados foi um questionário de autopreenchimento. No tratamento recorreu-se aos aplicativos QDA Miner 4 Lite e IBM SPSS Statistic, versão 21.0.  Resultados: dos participantes, 78% refere não ter tido formação sobre violência doméstica. Evidenciam falta de conhecimento, reconhecendo, no entanto, que a identificação e encaminhamento das vítimas é responsabilidade dos profissionais de saúde. Apontam como principais barreiras a falta de protocolos de atuação e de regulamentação que legitime a sua intervenção e, em menor percentagem, a falta de conhecimento/formação para a abordagem à vítima. Conclusão: torna-se assim necessário dimensionar as necessidades ao nível da formação pré e pós-graduada, infundindo nos currículos esta temática e capacitando assim atuais e futuros profissionais na abordagem à mulher vítima de violência doméstica.

https://doi.org/10.37914/riis.v3i2.102

Referências

Alshammari, K. F., McGarry, J., & Higginbottom, G. (2018). Nurse education and understanding related to domestic violence and abuse against women: An integrative review of the literature. Nursing open, 5(3), 237–253. https://doi.org/10.1002/nop2.133

Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. (2020). Estatísticas APAV. Relatório Anual 2019. Lisboa. Retirado de https://apav.pt/apav_v3/images/pdf/Estatisticas_APAV-Relatorio_Anual_2019.pdf

Centro de Estudos Judiciários. (2016). Violência Doméstica: Implicações psicológicas, sociológicas e jurídicas do fenómeno. Manual Pluri Disciplinar. Lisboa. Retirado de http://www.cej.mj.pt/cej/recursos/ebooks/outros/Violencia-Domestica-CEJ_p02_rev2c-EBOOK_ver_final.pdf

Cho, O. H., Cha, K. S., & Yoo, Y. S. (2015). Awareness and Attitudes Towards Violence and Abuse among Emergency Nurses. Asian nursing research, 9(3), 213–218. https://doi.org/10.1016/j.anr.2015.03.003

Conselho Internacional dos Enfermeiros. (2016). CIPE® Versão 2015 - Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros.

Cristina, I., Risso, S., & Sim, M. (2019). Assistência de Enfermagem – Narrativa das mulheres vítima de violência doméstica. Revista Ibero Americana de Saúde e Envelhecimento, 5 (3), 1998-2014. doi: 10.24902/r.riase.2019.5(3).1998

Decreto-Lei n.º 118/2014, de 5 de agosto (2014). Diário da República n.º 149 - I série. Ministério da Saúde. Lisboa, Portugal.

Lei nº 59/2007, de 4 de setembro (2007). Diário da República n.º 170 - I série. Ministério da Justiça. Lisboa, Portugal.

Lei n.º 156/2015, de 16 de setembro (2015). Diário da República nº 181 - I Série. Ministério da Saúde. Lisboa, Portugal.

Lima, J., Santos, R., Silva, J., Silva, R., Souto, C., Souto, R., & Araújo, G. (2020). Rastreio e encaminhamento de casos de violência contra a mulher por enfermeiras na estratégia saúde da família. Cogitare Enfermagem. doi:10.5380/ce.v25i0.65579

Méndez-Hernández, P., Valdez-Santiago, R., Viniegra-Velázquez, L., Rivera-Rivera, L., & Salmerón-Castro, J. (2003). Violencia contra la mujer: conocimiento y actitud del personal médico del Instituto Mexicano del Seguro Social, Morelos, México. Salud Pública México, 45 (6), 472-482. Retirado de http://www.scielo.org.mx/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0036-36342003000600007

Natan, M., & Rais, I. (2010). Knowledge and Attitudes of Nurses Regarding Domestic Violence and Their Effect on the Identification of Battered Women. Journal of Trauma Nursing, 17, 112-117. doi:10.1097/JTN.0b013e3181e736db

Oliveira, I., Figueiredo, B., Nina, J., Oliveira, X., & Novais, S. (2019). Representação social da violência doméstica sobre as mulheres. Revista de Investigação & Inovação em Saúde, 2 (2), 7-18. doi:10.37914/riis.v2i2.53

Organização Mundial da Saúde. (2020). COVID-19 e a violência contra a mulher. O que o setor/sistema de saúde pode fazer. Retirado de https://www.who.int/reproductivehealth/publications/vaw-covid-19/pt/

Presidência do Conselho de Ministros nº 103/2013. (2013). V Plano Nacional de Prevenção e Combate à Violência Doméstica e de Género 2014-2017. Diário da República: I série, nº 253. 7036-7049. Retirado de https://dre.pt/application/conteudo/136785

Regulamento n.º 428/2018, de 16 de julho (2018). Diário da República nº 135 - II Série. Ordem dos Enfermeiros. Lisboa, Portugal.

Rodrigues, V., Oliveira, G., Machado, J., Simões, A., Pires, V., & Morais, R. (2018). Assistência à Saúde da Mulher em Situação de Violência Doméstica: Revisão Integrativa. Revista Saúde Com, 14 (1), 1122-1129. doi: 10.22481/rsc.v14i1.538

Silva, P., Trindade, R., & Lima, W. (2019). Conduta de enfermeiras diante de casos de violência doméstica contra a mulher. Revista Baiana de Enfermagem, 33, e33452 1-11. doi: 10.18471/rbe.v33.33452

Wild, D., Grove, A., Martin, M., Eremenco, S., McElroy, S., Verjee-Lorenz, A., & Erikson, P. (2005). Principles of Good Practice for the Translation and Cultural Adaptation Process for Patients-Reported Outcomes (PRO) Measures: Report for ISPOR Task Force for Translation and Cultural Adaptation. Value in Health, 8 (2), 94-104. Retirado de https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/j.1524-4733.2005.04054.x

World Health Organization. (2017). Violence against women: Intimate partner and sexual violence against women. Retirado de http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs239/en/

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2020 Revista de Investigação & Inovação em Saúde