Violência doméstica contra a mulher: conhecimentos e atitudes do enfermeiro da urgência

Arquivos suplementares

PDF

Como Citar

de Jesus Oliveira, I., Almeida, D., Bastos, L., Augusto, C., & Barreiro, S. (2021). Violência doméstica contra a mulher: conhecimentos e atitudes do enfermeiro da urgência. Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 4(2). https://doi.org/10.37914/riis.v4i2.159

Resumo

Enquadramento: a violência doméstica afeta significativamente a saúde das mulheres e, em Portugal, é considerada um crime público. O serviço de urgência é um dos locais onde as vítimas recorrem, pelo que os enfermeiros possuem um papel importante na identificação e encaminhamento. Objetivo: identificar os conhecimentos, atitudes e barreiras dos enfermeiros do serviço de urgência na identificação e encaminhamento da mulher vítima de violência doméstica. Metodologia: desenho exploratório e descritivo, numa amostra não probabilística por bola de neve, constituída por 59 enfermeiros. Para a recolha de dados foi utilizado um questionário online de autopreenchimento. Para o tratamento de dados recorreu-se ao IBM SPSS Statistic, versão 25 e ao QDA Miner 4 Lite. Resultados: dos participantes, 74,6% referem nunca ter tido formação nesta área, mas manifestam interesse em cursos/formações, já que consideram que é responsabilidade dos profissionais de saúde a identificação e encaminhamento destes casos. Identificam como principais barreiras o carácter privado da violência e a falta de protocolos de atuação nos serviços onde exercem funções. Conclusão: é necessário investir na formação dos enfermeiros dos serviços de urgência, para uma intervenção significativa junto destas mulheres, bem como a criação de protocolos de atuação.

https://doi.org/10.37914/riis.v4i2.159

Referências

Administração Central do Sistema de Saúde. (2015). Recomendações Técnicas para Serviços de Urgências. RT 11/2015. Lisboa. Retirado de http://www.acss.min-saude.pt/wp-content/uploads/2016/10/Recomendacoes_Tecnicas_Urgencias_11_2015.pdf

Alshammari, K. F., McGarry, J., & Higginbottom, G. (2018). Nurse education and understanding related to domestic violence and abuse against women: An integrative review of the literature. Nursing open, 5(3), 237–253. https://doi.org/10.1002/nop2.133

Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. (2021). Estatísticas APAV. Relatório Anual 2021. Lisboa. Retirado de https://apav.pt/apav_v3/images/pdf/Estatisticas_APAV_Relatorio_Anual_2020.pdf

Centro de Estudos Judiciários. (2016). Violência Doméstica: Implicações psicológicas, sociológicas e jurídicas do fenómeno. Manual Pluri Disciplinar. Lisboa. Retirado de http://www.cej.mj.pt/cej/recursos/ebooks/outros/Violencia-Domestica-CEJ_p02_rev2c-EBOOK_ver_final.pdf

Conselho de Ministros nº 102/2013. (2013). Diário da República n.º 253 – I Série. Presidência do Conselho de Ministros. Lisboa, Portugal.

Ferreira, C. (2018). Conhecimento dos Enfermeiros sobre Práticas Forenses no intra-hospitalar. (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Saúde de Viseu, Portugal. Retirado de: https://repositorio.ipv.pt/bitstream/10400.19/5061/1/Cristina_Maria_Esteves_Ferreira_DM.pdf

Giacomo, P., Cavallo, A., Bagnasco, A., Sartini, M., & Sasso, L. (2017). Violence against women: knowledge, attitudes and beliefs of nurses and midwives. Journal of Clinical Nursing, 26(15-16), 2307–2316. https://doi.org/10.1111/jocn.13625

Heron, R. L., & Eisma, M. C. (2021). Barriers and facilitators of disclosing domestic violence to the healthcare service: A systematic review of qualitative research. Health & Social Care in the Community, 29(3), 612–630. https://doi.org/10.1111/hsc.13282

Lei nº 19/2013, de 21 de fevereiro (2013). Diário da República nº 37 – I Série. Assembleia da República. Lisboa, Portugal.

Lei nº 71/2015, de 20 de julho (2015). Diário da República nº 139 – I Série. Assembleia da República. Lisboa, Portugal.

Marques, P. A. (2017). A Intervenção do Enfermeiro no Serviço de Urgência com a Pessoa Vítima de Violência Doméstica. (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Portugal. Retirado de: https://repositorio.esenfc.pt/rc/index.php?module=repository&target=list&id_type[]=8&academic_programs[]=3

Méndez-Hernández,P. et al. (2003). Violencia contra la mujer: conocimiento y actitud del personal médico del Instituto Mexicano del Seguro Social, Morelos, México. Salud Pública México, 45(6),472-482. Recuperado de https://www.scielosp.org/pdf/spm/2003.v45n6/473-482

Oliveira, I., Oliveira, C., Carvalho, J., Santos, N., & Torres, A. (2020). Violência doméstica contra as mulheres: conhecimentos, atitudes e barreiras do enfermeiro de família. Revista de Investigação & Inovação em Saúde, 3(2), 29–38. https://doi.org/10.37914/riis.v3i2.102

Oliveira, I., Pereira, F., Almeida, D., Bastos, L., & Augusto, C. (2020). Conhecimentos, Atitudes e Barreiras dos Enfermeiros dos Serviços de Urgência na Abordagem à Mulher Vítima de Violência Doméstica: Revisão Integrativa. RevSalus, (suppl 2), 300. https://doi.org/10.51126/revsalus.vi2

Organização Mundial de Saúde. (2012). Prevenção da violência sexual e da violência do parceiro íntimo contra a mulher: ação e produção de evidência. Recuperado de http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/44350/9789275716359_por.pdf?sequence=3

Silva, S. A., Lucena, K. D., Deininger, L. C., Coelho, H. C., Vianna, R. T., & Anjos, U. U. (2015). Analysis of domestic violence on women's health. Journal of Human Growth and Development, 25(2), 182-186. https://dx.doi.org/10.7322/JHGD.103009

Walker-Descartes, I., Mineo, M., Condado, L. V., & Agrawal, N. (2021). Domestic Violence and Its Effects on Women, Children, and Families. Pediatric Clinics of North America, 68(2), 455–464. https://doi.org/10.1016/j.pcl.2020.12.011

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Isabel de Jesus Oliveira, Daniela Martins de Almeida, Laura Milara de Bastos, Carla Silva Augusto, Sara Costa Barreiro