Fatores que influenciam a transição saudável para a reforma: revisão integrativa
PDF

Palavras-chave

programa; saúde; reforma e transição

Como Citar

Rocha, A., Silva, A., Araújo, C., Peneda, L., Felícia, P., Gonçalves, S., Quesado, A., & Ferreira, A. (2020). Fatores que influenciam a transição saudável para a reforma: revisão integrativa. Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 3(1), 79-89. https://doi.org/10.37914/riis.v3i1.72

Resumo

Enquadramento: a reforma envolve uma dimensão individual e social, constituindo um marco no desenvolvimento do indivíduo. Planear esta transição torna-se fundamental para melhorar a satisfação e qualidade de vida. Objetivos: identificar os fatores facilitadores do processo de transição saudável para a reforma. Metodologia: a revisão integrativa envolveu a pesquisa nos motores de busca: CINAHL Complete; MEDLINE; Nursing & Allied Health Collection; Cochrane Central Register of Controlled Trials; Cochrane Methodology Register; Library, Information Science & Technology Abstracts e MedicLatina, tendo-se obtido inicialmente 231 produções científicas que, após a análise segundo os critérios de inclusão, foram elegidos 7 artigos. Resultados: os fatores determinantes para o sucesso desta transição são: idade, género, escolaridade, saúde, rede social, estilo de vida que antecede a reforma, satisfação com a vida ativa e condição financeira. A literacia em saúde e preparação para a reforma influencia essa transição, traduzindo-se na forma como os beneficiários enfrentam os problemas de saúde, económicos e sociais. Conclusão: preparar a reforma com antecedência é fundamental. Desenvolver programas de preparação para a reforma, baseados no projeto pessoal do futuro reformado, é determinante, traduzindo-se em ganhos para a saúde, maior bem-estar e qualidade de vida.

https://doi.org/10.37914/riis.v3i1.72
PDF

Referências

Bueno, B., Vega, J., & Buz, J. I. (2004). Desenvolvimento Social a partir da Meia-Idade., Desenvolvimento Psicológico e Educação, Psicologia Evolutiva. . Porto Alegre: Artmed.

Campos, A., Ferreira, E., & Vargas, A. (2015). Determinantes do envelhecimento ativo segundo a qualidade de vida e gênero. Ciencias e saúde colectiva 20(7), 2221-2237. http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015207.14072014.

Despacho n.º 6401/2016 de 16 de Maio. (2016). Diário da Républica nº 94/16. II Série. Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde. Lisboa, Portugal.

Fonseca, A.M. (2011). Reforma e Reformados. Coimbra: Almedina. ISBN 978-972-40-4531-3.

França, L. (2010). Preparação para a Reforma: Responsabilidade individual e colectiva. Psychologia. 53, 47-66. https://doi.org/10.14195/1647-8606_53_3.

Galvão, T.F. (2014). Revisões sistemáticas da literatura: Passos para a sua elaboração. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 183-184. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000100018.

Gaspar, L.C. (2016). Envelhecimento e Transição-Adaptação à Reforma: Um estudo de natureza quantitativa e qualitativa. Obtido de Repositório do Instituto Politécnico de Viana do Castelo: http://hdl.handle.net/20.500.11960/1803

Guimarães, P., & Nobre, F. (. (2013). Guia para a Promoção do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade.Retirado de: http://www.app.com.pt/wp-content/uploads/2016/11/Grace_Guia_Promocao_Envelhecimento_Ativo_com-capa_9594.pdf

Hershey, D.A., Henkens, K., & Van, D.H.P. (2010). What drives retirement income worries in Europe? A multilevel analysis. European journal of Ageing, 7, pp. 301-311.

Instituto Nacional de Estatística. (2019). Intituto Nacional de Estatística. Retirado de www.ine.pt

Jackson, A.S., Sui, X., Hebert, J.R., Church, T.S., & Blair, S.N. (2009). Role of Lifestyle and Aging on the Longitudinal Change in Cardiorespiratory Fitness. Arch Intern Med, 169(19), 1781-1787.

Jaimet, K. (2013). Retraite: bien choisir quand arrêter. Retirado de: Infermière Canadienne: https://canadian-nurse.com/fr/articles/issues/2013/mars-2013/retraite-bien-choisir-quand-arreter

Kim, J., & Moen, P. (2002). Retirement Transitions, Gender, and Psychological Well-Being: A Life-Course, Ecological Model. Journal of Gerontology: Psychological Sciences: The Gerontological Society of America, 57, 212-222.

Lago, L., & Reis, L. (2017). Relação entre a qualidade de vida e desempenho motor em idosos ativos. Fisioterapia Brasil, 18(6),700-708. Retirado de: https://portalatlanticaeditora.com.br/index.php/fisioterapiabrasil/article/view/2051.

Loureiro, H. (2011). Cuidar na "Entrada na Reforma". Universidade de Aveiro, Secção Autónoma de Ciências da Saúde. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Loureiro, H., Ângelo, M., Silva, M., & Pedreiro, A. (2015). Como as famílias portuguesas percecionam a transição para a aposentação. Revista de enfermagem Referência. Serie IV(6), 45-54.

Loureiro, H., Mendes, A., Fernandes, A., Camarneiro, A., Fonseca, A., Veríssimo, M., . . . Ângelo, M. (2014). A Transição para a Reforma em Reformados Portugueses. Coimbra: Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem (UICISA:E) / Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC).

Loureiro, H., Mendes, A., Rodrigues, R., Apóstolo, J., Rodrigues, M.A., Cardoso, D., & Pedreiro, A.T. (2015). The experience of programs to promote health in retirement: a systematic review of qualitative evidence. JBI Database of Systematic Reviews & Implementation Reports, 13(4), 276-294.

Ministério da Saúde. Direção-Geral da Saúde. (2004). Programa Nacional para a Saúde das Pessoas Idosas. Lisboa: Direção Geral da Saúde.

Oliveira, J.H. (2008). Psicologia do Envelhecimento e do Idoso. Porto: LivPsic.

Pocinho, R., Belo, P., Silva, C., Pardos, E., & Muñoz, J. (2017). Bem-estar psicológico na reforma: a importância da preparação dos trabalhadores para a transição. Revista Lusófona de Educação, 37,11-25.

Ramalho, A. (2005). Manual para redacção de estudos e projetos de revisão sistemática com e sem metanálise: estrutura, funções e utilização na investigação em enfermagem. Coimbra: Formasau.

Silver, M. (2016). Réflexion critique sur la retraite chez les médecins. Canadian Family Physician Medecin de Famille Canadien, 62, 792-794.

Topa, G., Moriano, J.A., Depolo, M., Alcover, C., & Morales, J. (2009). Antecedents and consequences of retirement planning and decision-making: A meta-analysis and model. Journal of Vocational Behavior. 75(1), 38-55

Wang, M., & Shultz, K. S. (2010). Employee Retirement: A review and Recommendation for Future Investigation. Journal of Management, 36, 172-206.

WHO. (2002). Active Ageing A Policy Framework. Madrid: WHO. Retirado de: https://www.who.int/ageing/publications/active_ageing/en/