Promoção da atividade física numa instituição de ensino superior

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

exercício físico; promoção da saúde; instituições de ensino superior

Como Citar

Quesado, A., Santos, A. R. ., Soares, I. C. ., Moreira, L. ., & Pereira, S. . (2020). Promoção da atividade física numa instituição de ensino superior. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 3(2), 49–60. https://doi.org/10.37914/riis.v3i2.91

Resumo

Enquadramento: apesar da prática regular de atividade física influenciar positivamente a saúde emocional e física dos estudantes do ensino superior, a prevalência de inactividade física é elevada. Objetivos: realizar diagnóstico de situação relativamente à atividade física da comunidade académica; planear e implementar intervenções de promoção da atividade física mediante diagnóstico realizado; reduzir o sedentarismo na comunidade académica. Metodologia: investigação-ação desenvolvida numa Escola Superior de Saúde da região centro de Portugal. Amostragem não probabilística por conveniência. Este artigo descreve o 1º Ciclo desta investigação, no qual se realizou o diagnóstico de situação de prática de atividade física, com questionário de caraterização sociodemográfica, Questionário Global da Atividade Física e Focus Grupo. Elaborou-se um plano estratégico de promoção de atividade física e iniciou-se a implementação. Análise dos dados quantitativos através do Statistical Package for the Social Sciences, dos qualitativos seguiu-se os pressupostos de Bardin. Resultados: 53,52% dos participantes eram ativos insuficientes, 24,65% inactivos; com média de tempo sentados 6,86 horas. No Focus Grupo sugeriram implementação de atividades em grupo e do “Gymbreak”. Conclusão: a conceção do plano assentou nos eixos de intervenção integrados na estratégia nacional para actividade física, respondendo às recomendações da Direção-Geral da Saúde e envolvendo ativamente a comunidade académica.

https://doi.org/10.37914/riis.v3i2.91

Referências

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. 3ª reimp da 1ª ed. São Paulo: Edições 70.

Bull, F. C., Maslin, T. S., & Armstrong, T. (2009). Global physical activity questionnaire (GPAQ): nine country reliability and validity study. Journal of Physical Activity & Health, 6(6), 790-804.

Cardoso, G. M., Veras, R. M., Coelho, M. T., & Figueiredo, W. N. (2017). Vida universitária e atividade física: um estudo sobre a produção acadêmica. Revista de atenção à saúde. 15 (52), doi.10.13037/ras.vol15n52.4522

Cardoso, A.P.P.O. (2014). Inovar com a investigação-ação: desafios para a formação de professores. Coimbra: Universidade de Coimbra. Doi: 10.14195/978-989-26-0666-8

Coutinho, C. P., Sousa, A., Dias, A., Bessa, F., Ferreira, M. J., & Vieira, S. (2009). Investigação‐ação: metodologia preferencial nas práticas educativas. Revista Psicologia, Educação e Cultura, 13 (2), 355-379. Retirado de http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/10148/1/Investiga%c3%a7%c3%a3o_Ac %c3%a7%c3%a3o_Metodologias.PDF

Instituto Desporto de Portugal (2009). Orientações Europeias para a Atividade Física - Políticas Recomendadas para a Promoção da Saúde e do Bem-Estar. Lisboa: Edição do Instituto do Desporto de Portugal. Retirado de http://biblioteca.esec.pt/cdi/ebooks/docs/Orientacao%20Europeia%20Act%20F%C3%ADsica.p df

Direção-Geral da Saúde (2017). Programa Nacional Para a Promoção Da Atividade Física. A saúde dos Portugueses 2016. Lisboa: DGS. Retirado de https://www.dgs.pt/programa-nacional-para-a-promocao-da-atvidade-fisica/ficheiros-externos-pnpaf/rel_capitulo-pnpaf-2016-a-saude-dos-pt-pdf.aspx

Elliott, J, (1991). Action Research for Educational Change, Open University Press: Milton Keynes. First published: December 1993. DOI: 10.1080/0141192930190510

Ferraz, M., & Pereira, A. S. (2002). A dinâmica da personalidade e o homesickness (saudades de casa) dos jovens estudantes universitários. Psicologia, Saúde & Doenças, 149-164. Retirado de http://www.scielo.mec.pt/pdf/psd/v3n2/v3n2a04.pdf

Ferreira, F. M., Mota, L. A., Brito, I., & Santos, M. R. (2017). Perfil de saúde dos estudantes de enfermagem: diagnóstico epidemiológico a partir do modelo PRECEDE-PROCEED. Revista de Enfermagem Referência, 15, 91-100. doi: 10.12707/RIV17047

Giesta, L., & Fonte, C. (2016). Saúde mental e nível de atividade física em estudantes do ensino superior, Revista Psicologia Educação e Cultura, 1, 153-171. Retirado de https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/7988/1/Giesta%20%26%20Fonte%20Abstract%20201 6.pdf

Nunes, C. C. (2015). Atividade física dos estudantes de enfermagem. (Tese de Mestrado). Escola Superior de Saúde de Viseu do Politécnico de Viseu. Retirado de https://repositorio.ipv.pt/bitstream/10400.19/2840/1/NUNES%2C%20CarlaCristinaGon%C3%A 7alves%20DM.pdf

OMS (2015). Physical activity strategy for the WHO European Region 2016-2025. Copenhagen: WHO. Retirado de https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/329407/9789289051477-eng.pdf

OMS (2018). Global action plan on physical activity 2018–2030: more active people for a healthier world. Geneva: WHO. Retirado de https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272722/9789241514187-eng.pdf?ua=1

ORSIES. (2018). Livro Verde sobre Responsabilidade Social. Lisboa: ORSIES. Retirado de https://orsies.forum.pt/

Pires, C. G. S., Mussi, F. C., Cerqueira, B. B., Pitanga, F. J. G., & Silva, D. O. (2013). Prática de atividade física entre estudantes de graduação em enfermagem. Acta Paulista de Enfermagem, 26(5), 436-443. Doi: 10.1590/S0103-21002013000500006

Príncipe, F., & Ferreira, A. (Coord.) (2015). Plano Desenvolvimento Estratégico 2015/2019. Oliveira de Azeméis: ESEnfCVPOA. Retirado de https://www.essnortecvp.pt/pt/escola/sobrenos/

Silva, A.M.M, (2016). Estilos De Vida Em Estudantes Do Ensino Superior. (Tese de Doutoramento). Instituto De Ciências Da Saúde da Universidade Católica Portuguesa. Retidado de: https://www.google.com/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=&cad=rja&uact=8&ved=2ahUKEwiZ3K2HuNzsAhVSoXEKHTEMCY8QFjAAegQIARAC&url=https%3A%2F%2Frepositorio.ucp.pt%2Fbitstream%2F10400.14%2F24196%2F1%2FEstilos_de_Vida_em_Estudantes.pdf&usg=AOvVaw2VgV2-rh5kqQbsvM8erWQl

Soares, A., Pereira, A., & Canavarro, J. (2016) Promoção da Saúde nas Instituições de Ensino Superior Portuguesas: Reflexões e Desafios, Revista Portuguesa de Pedagogia, 2(1), 115- 137. DOI 10.14195/1647-8614_49-2_6

Tavares, C. F. (2014). Adaptação ao ensino superior, personalidade e otimismo em estudantes universitários do 1º ciclo de estudos. (Tese de Mestrado). Faculdade e Ciências Humanas e Sociais da Universidade Fernando Pessoa. Retirado de: https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/4231/1/CL%C3%81UDIO%20FILIPE%20VALENTE%20TAVARES%20-%20ADAPTA%C3%87%C3%83O%20AO%20ENSINO%20SUPERIOR%2C%20PERSONALIDADE%20E%20OTIMISMO%20EM%20ESTUDANTES%20UNIVERSIT%C3%81RIOS%20DO%201%C2%BA%20CICLO%20DE%20ESTUDOS.pdf

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2020 Revista de Investigação & Inovação em Saúde