Efeitos de um programa de estimulação cognitiva no funcionamento cognitivo de idosos institucionalizados

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

cognição; envelhecimento; idoso

Como Citar

Carvalhais, M., Almeida, T. ., Azevedo, J., Sá, T., Soares, I., Alves, F. ., Duarte, A. ., & Paiva, F. . (2019). Efeitos de um programa de estimulação cognitiva no funcionamento cognitivo de idosos institucionalizados. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 2(2), 19–28. https://doi.org/10.37914/riis.v2i2.54

Resumo

Enquadramento: devido ao envelhecimento populacional e ao declínio cognitivo associado à idade, torna-se necessário implementar programas de estimulação cognitiva que promovam o funcionamento cognitivo. A implementação deste tipo de programas pode prevenir o declínio cognitivo. Objetivos: avaliar os efeitos da implementação de um programa de estimulação cognitiva no funcionamento cognitivo de idosos institucionalizados. Metodologia: neste estudo participaram 9 idosos institucionalizados com idade média de 83,67 anos, sujeitos ao programa “Fazer a diferença” com 14 sessões de estimulação cognitiva, validado para a população portuguesa. Estudo com medidas repetidas de um grupo único recorrendo a questionário sociodemográfico e ao Montreal Cognitive Assessment (MOCA). Resultados: os resultados obtidos apresentam um aumento da média global do funcionamento cognitivo e, após a análise individual das avaliações, constata-se que 77,78% dos participantes apresentam uma melhoria dos resultados do MOCA. Conclusão: a implementação do programa demonstrou potencial de melhoria cognitiva sendo relevante para a aplicação em idosos institucionalizados, com vista à prevenção do declínio cognitivo. Os profissionais de saúde devem identificar alterações ao nível cognitivo, adequando as suas intervenções, promovendo assim o funcionamento cognitivo e a saúde.

https://doi.org/10.37914/riis.v2i2.54

Referências

Almeida, M. (2012). Envelhecimento e Dinâmicas Sociais: Envelhecimento Ativo. (Trabalho académico). Faculdade de Economia, Coimbra.

Apóstolo, J., Cardoso, D., Marta, L & Amaral, T. (2011). Efeito de estimulação cognitiva em Idosos. Revista de Enfermagem Referência, 3(5), 193-201.

Apóstolo, J., Martins, A., Graça, M., Martins, M., Rodrigues, S. & Cardoso, D. (2013). O efeito da Estimulação Cognitiva no Estado Cognivo do Idosos em Contexto Comunitário. Actas de Gerontologia, 1(1), 1-12.

Azevedo M.J. & Teles R. (2011). Revitalize a sua mente. In: Ribeiro O. & Paúl C. Manual de Envelhecimento Activo. Lisboa. p. 77-112.

DGS (2012). Direcção Geral de Saúde. Disponível em http://www.dgs.pt/upload/membro.id/ficheiros/i010170.pdf.

Evangelista, D. (2013). Promoção de Saúde em Idosos: Projeto de Intervenção na Demência (Tese de Mestrado não publicada). Escola Superior de Educação de Coimbra, Coimbra.

Fernandes, S. (2014). Estimulação cognitiva em idosos institucionalizados. (Tese de Mestrado não publicada). Instituto Politécnico de Bragança da Escola Superior de Educação, Bragança.

Galinha, S. (2016). Bem - Estar e envelhecimento ativo: Para uma intervenção socioeducativa em idade avançada. Quaderns Animacion, 1 (23), 1-17.

Gomes, J. (2011). Contribuição para a Validação do OQCODE - Informant Questionnaire on Cognitive Decline in the Elderly. (Tese de Mestrado não publicada). Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra.

Duro, D., Simoes, M. R., Ponciano, E., & Santana, I. (2010). Validation studies of the Portuguese experimental version of the Montreal Cognitive Assessment (MoCA): confirmatory factor analysis. Journal of Neurology, 257(5), 728-734.

Lousa, E. (2016). Benefícios da Estimulação Cognitiva em Idoso: Um Estudo de Caso. (Tese de Mestrado não publicada). Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra.

Nobre, R. (2016). Envelhecimento ativo no Idoso Institucionalizado. (Tese de mestrado não publicada). Escola Superior de Educação e Comunicação, Algarve.

Organização Mundial de Saúde (2005). Envelhecimento Ativo: Uma Política de Saúde [PDF]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/envelhecimento_ativo.pdf;

Pordata. (2018). Índice de envelhecimento [Web Site]. Disponível em: https://www.pordata.pt/Municipios/%C3%8Dndice+de+envelhecimento-458.

SNS. Sistema Nacional de Saúde. (2017). Estratégia nacional para o envelhecimento ativo e saudável 2017-2025. Lisboa: Sistema Nacional de Saúde. Retirado de https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2017/07/ENEAS.pdf

Spector, A., Thorgrimsen., L., Woods, B., Royan, L., Davies, S., Butterworth, M. & Orrell, M. (2003). Efficacy of an evidence-based cognitive stimulation therapy programme for people with dementia: Randomised Controlled Trial. British Journal of Psychiatry, 183: 248-254.

Sousa L. & Sequeira, C. (2012). Concepção de um Progrma de Intervenção na Memória para Idosos com DCL. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 8, 7-15.

Torres, A., & Venâncio, J. (2016). Effects of an innovative group program of multisensory stimulation of older adults. The European Proceedings of Social & Behavioural Sciences, 387-396.

Torres, P. A. (2008). Efeitos dos videojogos nas funções cognitivas da pessoa idosa. Tese de mestrado apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Disponível em: http://hdl.handle.net/10216/22139