Efeito do Toque Terapêutico na Dor, Autocuidado, Depressão e Cortisol: Estudo de um Caso Clínico

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

toque terapêutico; acidente vascular cerebral; depressão; Cortisol

Como Citar

Encarnação, P. ., Macedo, E. ., Machado, M., Sousa, A., & Coelho, M. . (2018). Efeito do Toque Terapêutico na Dor, Autocuidado, Depressão e Cortisol: Estudo de um Caso Clínico. Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 1(1), 17–24. https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.25

Resumo

Enquadramento: o Toque Terapêutico (TI) ou método Krieger-Kunz tem demonstrado benefícios na saúde das pessoas como a redução da dor e ansiedade, ou o aumento da hemoglobina. Objetivo: avaliar o efeito do TI na dor, nível de dependência no autocuidado, níveis de cortisol e depressão numa doente com Acidente Vascular Cerebral (AVC) e sintomatologia depressiva grave. Metodologia: estudo de um caso clínico com avaliação pré, durante e pós intervenção, realizado em março e abril de 2015. Foram realizadas dezasseis sessões de TI. Nos três momentos foram aplicados: Mini Mental State Examination; Escala Visual Analógica da dor; Escala de depressão geriátrica e Escala do autocuidado. Foram também avaliados os níveis de cortisol salivar de manhã e à noite. Os procedimentos éticos foram cumpridos. Resultados: observou-se uma melhoria das seguintes variáveis: sintomatologia depressiva, nível de dependência no autocuidado, com ganhos mais significativos na higiene, arranjar-se e alimentar-se, e uma diferença significativa no cortisol matinal diminuindo os seus valores a cada nova avaliação. Conclusão: os achados sugerem que o TI, como terapia complementar, pode ser eficaz na melhoria da condição de saúde em doentes que sofreram AVC, nomeadamente na diminuição da sintomatologia na depressão grave e no nível de dependência no autocuidado.

https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.25

Referências

Campbell, D.T., & Stanley, J.C. (2015). Experimental and quasi-experimental designs for research. UK: Ravenio Books.
Direção-Geral da Saúde [DGS] - Comissão Nacional de Controlo da Dor. (2011). Dor como 5º sinal vital. Registo sistemático da intensidade da dor. Lisboa: Direção-Geral da Saúde.
Duque, H. {2009). O doente dependente no autocuidado: estudo sobre a avaliação e acção profissional dos enfermeiros (Master Dissertation). Universidade Católica Portuguesa, Porto.
Folstein, M.F., Folstein, S.E., & McHugh, P.R. (1975). "Mini-mental state": a practical method for grading the cognitive state of patients for the clinician. Journal of Psychiatric Research, 12(3), 189-198.
Gomes, 1., Encarnação, P., & Cainé, J. (2015). Controlo da dor: aplicação do Toque Terapêutico num doente com ferida maligna. Póster apresentado no XII Congresso Nacional de Psico-Oncologia, IPO, Porto. [Resumo]. Retirado de https://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/37839
Gronowicz, G., Secar Jr, E.R., Flynn, J.R., Jellison, E.R., & Kuhn, L.T. (2015). Therapeutic Touch Has Significant Effects on Mouse Breast Cancer Metastasis and lmmune Responses but Not Primary Tumor Size. Evidence-based complementary and alternative medicine, 2015, 1-10
Hanley, M. A., Coppa, D., & Shields, D. (2017). A Practice­Based Theory of Healing Through Therapeutic Touch: Advancing Holistic Nursing Practice. Journal of Holistic Nursing, 35(4), 369-381.
lgnatti, C. (2011). Toque Terapêutico em portadores de sintomas subjetivos na Clínica de Enfermagem UNAERP Guarujá. Revista Científica Integrada, (1).
Kessler, R.C., & Bromet, E. J. (2013). The epidemiology of depression across cultures. Annual review of public health, 34, 119-138.
Kirschbaum, C., & Hellhammer, D.H. (1994). Salivary cortisol in psychoneuroendocrine research: recent developments and applications. Psychoneuroendocrinology, 19(4), 313-333.
Krieger, D. (1996). O Toque Terapêutico. (2 ed.). São Paulo: Cultrix, 1996.
Lin, Y.S., & Taylor, A.G. (1998). Effects of Therapeutic Touch in reducing pain and anxiety in an elderly population. lntegrative Medicine, 1(4), 155-162.
McEwen, B.S. (2007). Physiology and neurobiology of stress and adaptation: central role of the brain. Physiological reviews, 87(3), 873-904.
Sá, A.C.D. (2000). Caracterização da população atendida para tratamento pelo Método Krieger-Kunz de repadronização energética: Toque terapêutico no período de um ano no Centro de Atendimento e Educação em Enfermagem da UNIFESP. Acta Paulista de Enfermagem, 13(esp, pt. 2), 227-229.
Sá, A.C.D. (2008). Toque Terapêutico pelo método Krieger­Kunz. São Caetano do Sul: Yendis Editora.
Sá, A.C.D., & Silva, M.J.P.D. (2003). Aplicação do Toque Terapêutico em mulheres portadoras de câncer de mama sob tratamento quimioterápico. Mundo Saúde, 27(2), 258-269.
Saraiva, E., Fortunato, J., & Gavina, C. (2005). Oscilações do cortisol na depressão e sono/vigília. Revista Portuguesa de Psicossomática, 7( 1-2), 89-100.
Sindi, S., Fiocco, A.J., Juster, R.P., Pruessner, J., & Lupien, S.J. (2013). When we test, do we stress? lmpact of the testing environment on cortisol secretion and memory performance in older adults. Psychoneuroendocrinology, 38(8), 1388-1396.
Souza, A.L.T., Prado, B. O., Paiva Silva, R., Chaves, É.D.C.L., & Lunes, D.H. (2014). Clinical research with Therapeutic Touch: a systematic review. Scientia Medica, 24(4), 14.
Woods, D.L., & Dimond, M. (2002). The effect of Therapeutic Touch on agitated behavior and cortisol in persons with Alzheimer's disease. Biological Research for Nursing, 4(2), 104-114.
Woods, D.L., Beck, C., & Sinha, K. (2009). The effect of Therapeutic Touch on behavioral symptoms and cortisol in persons with dementia. Forschende Komplementiirmedizin/Research in Complementary Medicine, 16(3), 181-189.