A família da criança com doença crónica no domicílio: emoções no cuidar

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

criança com doença crónica; família, enfermeiros dos cuidados de saúde primários, domicílio.

Como Citar

Florêncio, A., & Cerqueira, M. (2021). A família da criança com doença crónica no domicílio: emoções no cuidar . Revista De Investigação & Inovação Em Saúde, 4(2), 73–87. https://doi.org/10.37914/riis.v4i2.109

Resumo

Enquadramento: a doença crónica na criança desencadeia uma série de exigências nas famílias cuidadoras com repercussões emocionais na dinâmica familiar. Objetivo: identificar a experiência emocional do familiar cuidador da criança com doença crónica no domicílio. Metodologia: estudo qualitativo, exploratório descritivo, recurso a entrevista semiestruturada dirigida a 16 famílias cuidadoras de crianças com doença crónica de uma unidade de cuidados de saúde primários do Alto Minho. Os dados foram analisados com o recurso à técnica de análise de conteúdo segundo Bardin (2011). O estudo respeitou os princípios ético-morais. Resultados: as famílias da criança com doença crónica no domicílio experienciam uma variabilidade de emoções e sentimentos: revolta; frustração; incerteza, stress, sofrimento que advém da fragilidade emocional, como culpa, choro e revolta. Pelas narrativas dos familiares pudemos verificar que a sua experiência enquanto cuidador é envolta de vários eventos marcantes, que realçam a importância das experiências anteriores e da abordagem terapêutica dos profissionais de saúde. Conclusão: cuidar da criança com doença crónica no domicílio exige aos profissionais de saúde, nomeadamente ao enfermeiro, um enfoque na dimensão emocional dos familiares, reforçando assim, a sua importância na implementação de intervenções multidimensionais promotoras da literacia e da sua autogestão emocional.

https://doi.org/10.37914/riis.v4i2.109

Referências

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Damásio, A. (2010). Sentimento de Si – o corpo, a emoção e a neurobiologia da consciência. Publicações Europa-América.

Moral-Fernández, L., Frías-Osuna, A., Moreno-Cámara, S., Palomino-Moral P.A.,Pino-Casado, R. (2018). Primeros momentos del cuidado: el proceso de convertirse en cuidador de un familiar mayor dependiente. Atención Primaria, 50 (5), p. 282-290.

Freitag, V. L., Milbrath, V. M., & Motta, M. G. C. (2020). Tornar-se mãe de uma criança com paralisia cerebral: sentimentos vivenciados. Psicologia Em Estudo, 25. Retirado de https://doi.org/10.4025/psicolestud.v25i0.41608

Gomes, G. C., Mota, M. S., Moreira, M. A.J., Jung, B. C., Xavier, D. M., & Silva C. D. (2017). (Des)preparo do familiar para o cuidado à criança com doença crônica. Revista de Enfermagem UFPI. 6(1), 47-53. https://doi.org/10.26694/reufpi.v6i1.5737

Jorge, A. M., Carrondo, E., & Lopes, F. (2016). Cuidados Paliativos Pediátricos Domiciliários Centrados na Família: Contributos para uma Orientação Salutogénica. Egitania Sciencia, 75-87. http://bdigital.ipg.pt/dspace/bitstream/10314/3933/1/ezequiel_112_a.pdf.

Lopes, V. C. R. (2015). Informação/formação necessária aos pais no cuidar da criança com necessidades especiais de saúde no domicílio (Tese de mestrado). Universidade Católica Portuguesa, Instituto de Ciências da Saúde, Lisboa. Retirado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/enfermagemrevista/article/view/16333/12431.

Lyra, P. F., Souza, A., Alexandre, A., Sá B. S., Bezerra, S. & Amorim, L. (2016). Enfrentamento familiar: convivendo com a criança acometida por doença crônica. Revista de Enfermagem UFPE 10(8), 2790-2800. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v10i8a11345p2790-2800-2016

Machado, B., Dahdah, D., & Kebbe, L. (2018). Cuidadores de familiares com doenças crônicas: estratégias de enfrentamento utilizadas no cotidiano. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional. 26 (2), 299-313. https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAO1188.

Medeiros, J. O., Bezerra, A. L. D., & Sousa, M. N. A. (2020). Expectativas, sentimentos e vivências de pais cuidadores de crianças com problemas hematológicos severos. Revista de Enfermagem da UFPI, 9 (1), 2. DOI:10.26694/2238-7234.9127-34.

Meleis, A. I. (2010). Transitions theory: middle-range and situation-specific theories in nursing research and practice. New York: Springer Publishing Company.

Milbrath, V.M., Motta, M.G. C., Gabatz, R. I. B., & Freitag, V. L. (2017). O nascimento de um filho com paralisia cerebral: um tempo presente inesperado. Revista Interdisciplinar em Cultura e Sociedade 3 (Número Especial), 47-56. http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/ricultsociedade/issue/view/389/showToc. ISSN: 2447-6498.

Pfrimer, E. O. D., Afonso, E. T., Lima, F. H. A., & Abe, A. (2018, junho). O adolescente com doença crônica. Sociedade Goiana de Pediatria. Artigos 13. https://www.sbp.com.br/filiada/goias/artigos/artigo/pid/o-adolescente-com-doenca-cronica/.

PORTARIA nº 64/2020 de 10 de março (2020). Diário da República n.º 49/2020. Série I. Ministério das Finanças, Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e Saúde. Lisboa, Portugal.

Reisinho, M. (2019). Adolescer com fibrose quística: a perspetiva dos jovens e dos seus pais (Tese doutoramento).Universidade do Porto, Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. https://hdl.handle.net/10216/121006.

Ribeiro, C. (2017). Preparação e acompanhamento da criança e jovem a vivenciar as transições associadas a um transplante renal: um Programa de Intervenção de Enfermagem (Tese de mestrado). Escola Superior de Enfermagem de Lisboa. Retirado de https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/19131/1/Relat%C3%B3rio.pdf

Santos, M (2010). Vivência Parental da Doença Crónica. Estudo sobre a experiência subjectiva da doença em mães de crianças com fibrose quística e com diabetes. Edições Colibri/ Instituto Politécnico de Lisboa.

Santos, M., & Barros, L. (2015). Intervenção com Pais de Crianças com Doença Crónica. In Pereira, A. I., Goes, A. R., & Barros, L. (coord.) - Promoção da parentalidade positiva: intervenções psicológicas com pais de crianças e adolescentes (pp.157-209). Lisboa: Coisas de Ler Edições, Lda.

Silva, E., Macedo, M., Silva, D., Aparício, G., & André, S. (2017). Vivências dos pais sobre a diabetes tipo 1 dos seus filhos: Investigação Qualitativa em Saúde. Qualitativa em Saúde//Investigación Cualitativa en Salud//Vol. 2: Atas CIAIQ2017, 176-184. https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1564.

Silva, M.A.S., Collet, Neusa, Silva, K. L., & Moura, F. M. (2010). Cotidiano da família no enfrentamento da condição crônica na infância. Acta Paulista de Enfermagem, 23 (3), 359-365. https://doi.org/10.1590/S0103-21002010000300008. ISSN 0103-2100.

Silva V.L., Oliveira V.M., Ferreira C.S.B., Marques T.C.S., Silva C.S., & Silva C.M. (2020). As dificuldades enfrentadas pelas mães no cuidado à criança com microcefalia. REVISA, 9 (3),394-404. https://doi.org/10.36239/revisa.v9.n3.p394a404.

Smeha, L. N., Abaid, J. L. W., Martins J. S., Weber, A. S., Fontoura, N. M., & Castagna, L. (2017). Cuidando de um filho com diagnóstico de paralisia cerebral: sentimentos e expectativas. Psicologia Em Estudo, 22(2), 231-242. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v22i2.32584

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Ana Florêncio, Manuela Cerqueira