Doentes Após Seis Meses de Acidente Vascular Cerebral: Nível de Incapacidade Funcional

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

doente; acidente vascular cerebral; incapacidade funcional

Como Citar

Martins, C., Correia, R., Martins, R., Campos, S., & Moreira, T. (2018). Doentes Após Seis Meses de Acidente Vascular Cerebral: Nível de Incapacidade Funcional . Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 1(1), 23–35. https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.26

Resumo

Enquadramento: o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma patologia com um elevado impacto na funcionalidade do indivíduo. Objetivos: avaliar os níveis de funcionalidade no doente com AVC seis meses após a sua ocorrência; analisar a relação entre níveis de funcionalidade do doente e as variáveis sociodemográficas, clínicas e familiares. Metodologia: estudo descritivo, correlaciona!. A amostra é não probabilística por conveniência, constituída por 72 pessoas, que tiveram AVC, após seis meses da sua ocorrência. Para a colheita de dados utilizou-se um questionário constituído por uma parte de caracterização sociodemográfica, o Índice de Barthel e a Escala de Apgar Familiar. Resultados: a idade, o género, a coabitação e o rendimento familiar, demonstraram ter uma relação muito significativa com a capacidade funcional, em algumas dimensões. Os hábitos alcoólicos, os hábitos tabágicos, a diabetes, o stresse e a hipertensão arterial interferem igualmente nessa capacidade, bem como na área obstruída do cérebro. Conclusão: os resultados apontam que os fatores de risco estão associados a uma fraca capacidade funcional. A implementação de medidas preventivas, a promoção de bons hábitos de saúde e o início precoce de programas estruturados de reabilitação são fundamentais na minimização do impacto negativo do AVC na qualidade de vida.

https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.26

Referências

American Heart Association (2010). Comprehensive Overview of Nursing and lnterdisciplinary Rehabilitation Care of the Stroke Patient. Retirado de http://stroke.ahajournals.org/content/41/10/2402.full.pdf
Andrade, A. & Martins, R. (2011). Funcionalidade Familiar e Qualidade de Vida dos Idosos. Millenium, 40, 185-199.
Antunes, P. (2012). Impacto do AVC no estado de saúde do individuo (Tese de Mestrado). Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de saúde de Viseu. Retirado de http://hdl.handle.net/10400.19/1969.
Borges, S. (2013). Factores Determinantes na Independência Funcional em doentes Pós Ave estudo comparativo. (Tese de Mestrado). Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu. Retirado de http:/ /hdl.handle.net/10400.19/1968
Coelho, R. (2011). Determinantes da capacidade funcional do doente após acidente vascular cerebral. Instituto Politécnico de Viseu. Escola Superior de Saúde de Viseu. Retirado de http://hdl.handle.net/10400.19/1669.
Direção Geral de Saúde (2010). Acidente Vascular Cerebral - Itinerários clínicos. Lisboa: Lidei
Direção Geral de Saúde (2011). Norma nº 054/2011 de 27/12/2011: Acidente vascular cerebral.prescrição demedicina física e de reabilitação. Lisboa: Ministério da saúde
Direção Geral de Saúde (2006). Programa Nacional para as Doenças Cardiovasculares Orientações Programáticas. Lisboa: Ministério da saúde. Retirado de www.dgs.pt
Direção Geral de Saúde Portugal (2012). Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares Orientações Programáticas. Retirado de https://www.dgs.pt/ficheiros-de-upload-3/programas­nacionais-prioritarios-doencas-cerebro-cardiovasculares­pdf.aspx
Gonçalves, C. (2011). Dependência funcional dos idosos pós acidente vascular cerebral. (Tese de mestrado). Escola Superior de Saúde de Viseu. Retirado de http:/ /hdl.handle.net/10400.19/1629
Menoita, E. (2012). Reabilitar a pessoa idosa com AVC; Contributos para um envelhecer resiliente. Loures: Editora Lusociência.
Organização Mundial da Saúde (2006). Manual STEPS de Acidentes Vascular Cerebrais da OMS: enfoque passo a passo para a vigilância de acidentes vasculares cerebrais. Genebra: Organização Mundial da Saúde.
Pereira, J. & Guedes, N. {2011). Reabilitação precoce no doente com lesão cerebral aguda. Rev. Port. Med. lnt. 18 (3), 81-87.
Pereira, M. (2014). Relação entre independência funcional, memória subjetiva e tomada de decisão em idosos institucionalizados e não institucionalizados. (Tese de Mestrado). Universidade Católica Portuguesa. Retirado de http://hdl.handle.net/10400.14/17235.
Pires, G. {2014). O perfil do utente com Acidente Vascular Cerebral. {Tese de Mestrado). Escola Superior de Tecnologias do Porto. Retirado de http://hdl. hand le. net/10400. 22/ 4545.
Ramos, A. {2012). Doença Cerebrovascular Aguda. Análise do tipo de cuidados recebidos pelos doentes que recorreram ao serviço de urgência do Hospital Sousa Martins- Guarda. (Tese de Mestrado). Universidade da Beira Interior. Ciências da Saúde. Retirado de https://ubithesis.ubi.pt/handle/10400.6/1103.
Regulamento nº 125/11 de 18 de Fevereiro. (2011). Diário da República nº 35/11, li Série. Regulamento das competências Específicas do Enfermeiro Especialista em Enfermagem de Reabilitação. Lisboa, Portugal
Ricardo, R. (2012). Avaliação dos ganhos em saúde utilizando o Índice de Barthel, nos doentes com AVC em fase aguda e após a alta, com intervenção de Enfermagem de Reabilitação. (Tese de mestrado). Instituto Politécnico de Bragança. Escola Superior de Saúde de Bragança. Retirado de http://hdl.handle.net/10198/7680.
Salgueiro, H. (2011). Factores de Risco Vascular e AVC nos Idosos. Revista Sinais Vitais, 32-36.
Segurança Social (2017). Rede Nacional de Cuidados Continuados integrados (RNCCI}. Retirado de http://www.seg-social.pt
Silva, E. J. A. (2010). Reabilitação após o AVC. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Medicina do Porto.
Teles, M. & Gusmão, C. (2012). Avaliação funcional de paciente com Acidente Vascular Cerebral utilizando o protocolo de Fugi - Meyer. Revista Neurociências. 20 (1),42-49.