Conforto térmico em trabalhadores de aviários

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

Saúde Ocupacional
Acidente de Trabalho
Exposição Ocupacional
Trabalhadores

Como Citar

Ferreira, A., Simões, H., Figueiredo, J. P., Paixão, S., Simões Costa, L. ., Seco, S., & Loureiro, A. (2021). Conforto térmico em trabalhadores de aviários. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 4(1), 47–59. https://doi.org/10.37914/riis.v4i1.145

Resumo

Enquadramento: podendo existir vulnerabilidade dos trabalhadores avícolas face às temperaturas do interior dos aviários em comparação com as do exterior é importante analisar a sua exposição ocupacional em termos de conforto térmico. Objetivos: avaliar o conforto térmico em trabalhadores do setor avícola no ambiente interior e exterior dos aviários e analisar a sua possível relação com a fase de desenvolvimento do frango. Metodologia: o estudo efetuado foi observacional, transversal, com uma amostra por conveniência de 6 trabalhadores de 8 aviários. A recolha de dados foi realizada através de um questionário dirigido a todos os trabalhadores seguida da medição dos valores de Predicted Mean Vote (PMV) e Predicted Percentage of Dissatisfied (PPD). Resultados: em aviários de frangos com 8 dias de idade verificou-se uma total concordância entre os valores de PMV e PPD, nos de 35 dias uma concordância significativa e nos de 85 dias uma considerável concordância. Conclusão: existe desconforto térmico nos trabalhadores avaliados, especialmente nos que trabalham em aviários para frangos com 8 e 35 dias de idade. O desconforto térmico foi pior nos aviários de frangos com 8 dias, revelando assim a relação entre o índice de conforto térmico e a fase de desenvolvimento do frango.

https://doi.org/10.37914/riis.v4i1.145

Referências

Abreu, P., & Abreu, V. (2000). Ventilação na avicultura de corte. Concórdia, Brasil: Embrapa.

Almeida, H. (2010). Análise do conforto térmico de edifícios utilizando as abordagens analítica a adaptativa (Dissertação de Mestrado não publicada). Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Fanger, P. O. (1970). Thermal Comfort: analysis and applications in environmental engineering. Copenhagen: Danish Technical Press.

Fernandes, F. C., & Furlaneto, A. (2004). Riscos Biológicos em Aviários. Revista Brasileira de Medicina no Trabalho, 2(2), 140-152.

Hudie, L. A. (2016). Ergonomics of the thermal environment Determination of metabolic rate. Basis for the edition of the standard ISO 8996, 1-14. Retirado de https://www.researchgate.net/profile/Lesley-Anne-Hudie/publication/306013139_Ergonomics_of_the_thermal_environment_Determination_of_metabolic_rate/links/57aa26fc08ae3765c3b4a2b6/Ergonomics-of-the-thermal-environment-Determination-of-metabolic-rate.pdf

ISO 7730:2005. (2005). ISO 7730:2005 - Ergonomics of the thermal environment — Analytical determination and interpretation of thermal comfort using calculation of the PMV and PPD indices and local thermal comfort criteria. International Organization for Standardisation.

Lei n.º 3/2014, de 28 de janeiro de 2014, Diário da República n.º 19/2014, Série I, Assembleia da República, Lisboa, Portugal.

Miguel, A. (2014). Manual de Higiene e Segurança no Trabalho (13.ª ed.). Porto: Porto Editora.

Minette, L., Silva, E., Souza, A., & Silva, K. (2007). Evaluation of noise, light and heat levels of forest harvesting machines. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 11(6), 664–667.

Oliveira, A. (2008). Avaliação da Incerteza na Determinação dos Índices de Conforto Térmico PMV e PPD (Tese de Mestrado não publicada). Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.

Portaria n.º 702/80 de 22 de setembro (1980). Diário da República n.º 219/1980. I Série. Ministérios do Trabalho, dos Assuntos Sociais, da Agricultura e Pescas e da Indústria e Energia, Lisboa, Portugal.

Portaria n.º 53/71 de 03 de fevereiro (1971). Diário da República nº 28/1971. I Série. Ministérios da Economia, das Corporações e Previdência Social e da Saúde e Assistência, Lisboa, Portugal.

Sá, R. (1999). Introdução ao “stress” térmico em ambientes quentes. Tecnometal, 124

Sanguessuga, M. (Abril de 2012). Síndroma dos Edifícios Doentes: Estudo da qualidade do ar interior e despiste da eventual existência de SED entre a população do edifício “E” de um estabelecimento de ensino superior (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa, Instituto Politécnico de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Silva, P. (2013). Estudo do Conforto Térmico numa Lavandaria/Engomadoria. Setúbal: Instituto Politécnico de Setúbal.

Silva, T., & Almeida, V. (2010). Influência do Calor sobre a Saúde e desempenho dos trabalhadores. Simpósio Maringarense de Engenharia de Produção.

Sousa, J., Silva, C., Pacheco, E., Moura, M., Araújo, M., & Fabela, S. (2005). Acidentes de Trabalho e Doenças Profissionais em Portugal : Risco Profissional - Factores e Desafios. Gaia: Estudos CPRG

Spillere, J., & Furtado, T. (2007). Estresse ocupacional causado pelo calor (Mongrafia para obtenção de título de especialista), Universidade do Extrema Sul Catarinense, Criciúma, Brasil.

Talaia, M. (2013). Riscos no local de trabalho - ambiente térmico quente. 555-567. Retirado de https://www.uc.pt/fluc/depgeo/Publicacoes/livro_homenagem_FRebelo/555_567

Vergara, L. (2001). Análise das condições de conforto térmico de trabalhadores da unidade de terapia intensiva do Hospital Universitário de Florianópolis. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2021 Ana Ferreira, Hélder Simões, João Paulo Figueiredo, Susana Paixão, Lúcia Simões Costa, Silvia Seco, António Loureiro