Técnicas Psicométricas Versus Técnicas Projetivas na Avaliação da Dinâmica Intrapsíquica de Doentes Psiquiátricos em Consulta Externa: Um Estudo Comparativo

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

técnicas psicométricas; técnicas projetivas; dinâmica intrapsíquica

Como Citar

Costa, P. ., Remondes-Costa, S., & Milheiro, C. . (2019). Técnicas Psicométricas Versus Técnicas Projetivas na Avaliação da Dinâmica Intrapsíquica de Doentes Psiquiátricos em Consulta Externa: Um Estudo Comparativo. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 1(1), 97–107. https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.35

Resumo

Enquadramento: para se proceder a toda e qualquer intervenção no âmbito da psiquiatria ou da psicóloga clínica é necessário proceder inicialmente às avaliações psiquiátricas e psicológicas a fim de se estabelecer um diagnóstico inicial de referência. Objetivo: atestar as potencialidades psicométricas e clinimétricas da utilização de métodos projetivos na avaliação psicológica, em termos de aprofundamento da dinâmica intrapsíquica, prognóstico, previsibilidade de adesão ao tratamento e evolução terapêutica, comparativamente com os instrumentos de autorrelato. Metodologia: foi utilizada uma amostra clínica de 10 doentes psiquiátricos atendidos na Consulta Externa do Hospital de Magalhães Lemos. Os dados foram recolhidos com recurso a um questionário de dados sociodemográficos; aplicação do Symptom Checklist 90 - Revised (SCL 90 - R - Derogatis, 2002); e administração da prova projetiva de Rorschach (Chabert, 1998; Marques, 2001). Resultados: os resultados obtidos apontam o Rorschach como um instrumento que viabiliza a identificação de indicadores psicopatológicos discretos, que podem passar despercebidos em questionários de autorrelato. Conclusão: constatou-se que as técnicas projetivas são indicadas para completar o processo de psicodiagnóstico, fornecendo indicadores mais profundos do funcionamento da personalidade e dos seus recursos.
 

https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.35

Referências

American Psychiatric Association (2002). DSM-IV-TR: manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais (4ª ed.). Lisboa: Climepsi Editores.
Anastasi, A., & Urbina, S. (2000). Testagem psicológica {7ª ed.}. Porto Alegre: Artmed Editora.
Beizmann, C. (1966}. Livret de cotation des formes dons le Rorschach. Paris: Centre de Psychologie Appliquée.
Borba, L. O., Schwartz, E., & Kantorski, L. P. (2008). A sobrecarga da família que convive com a realidade do transtorno mental. Acta Paulista de Enfermagem, 21(4), 588-594.
Braga, D. S., Borges, K. D. M., Iodes, A. M. F., & Freitas, R. M. (2005). Estudo do uso racional medicamentos por usuários do centro de atenção psicossocial - CAPS VI. Informa, 17(7/9), 74-77.
Canetto, S. (1997}. Meanings of gender and suicidai behavior during adolescence. Suicide and Life Threatening Behavior, 27(4), 339-351.
Chabert, C. (1998}. O Rorschach na clínica do adulto. Lisboa: Climepsi Editores.
Daigle, M. S., Pouliot, L., Chagnon, F., Greenfield, B., & Mishara, B. (2011). Suicide attempts: prevention of repetition. The Canadian Journal of Psychiatry, 56(10}, 621-629.
Derogatis, L. (2002). SCL-90-R: cuestionario de 90 síntomas. Matrid: Tea Ediciones.
Godinho, M. Q., Marques, M. E., & Pinheiro, C. B. (2009). A expressão no Rorschach dos fenómenos transitivos e do espaço potencial na personalidade boderline. Análise Psicológica, 27(3}, 349-363.
Ludermir, A. B., & Melo Filho, D. A. (2002}. Condições de vida e estrutura ocupacional associadas a transtornos mentais comuns. Revista de Saúde Pública, 36(2), 213-221.
Marques, M. E. (2001}. A psicologia clínica e o Rorschach(2ª ed.). Lisboa: Climepsi Editores.
Mihura, J. L., Meyer, G. J., Dumitrascu, N., & Bombel, G. (2015). Standards, accuracy, and questions of bias in Rorschach meta-analyses: reply to Wood, Garb, Nezworski, Lilienfeld, and Duke (2015). Psychological Bulletin, 141(1), 250-260. dai: 10.1037 /a 0038445.
Neves, 1. M. S. (2010). A sintomatologia psiquiátrica de utentes em internamento parcial no Hospital de Dia em hospital psiquiátrico: estudo comparativo entre os momentos de admissão e alta (Tese de mestrado}. Universidade Fernando Pessoa, Porto.
Oneto, M. M., Marques, M. E., & Pinheiro, C. B. (2009). A natureza e especificidade do espaço mental através do Rorschach. Um espaço potencial? - Análise de um protocolo de uma paciente limite. Análise Psicológica, 27(3), 331-347.
Patel, V., & Kleinman, A. (2003). Poverty and common mental disorders in developing countries. Bulletin of the World Health Organization, 81(8), 609-615.
Piotrowski, C. (2015). Projective techniques usage worldwide: a review of applied settings 1995-2015. Journal of the lndian Academy of Applied Psychology, 41(3), 9-19.
Resende, A. e., & Argimon, 1. 1. L. (2012). A técnica de Rorschach e os critérios da CID-10 para o diagnóstico da esquizofrenia. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(3), 422-434.
Vaz, S. B. (2010}. O método de Rorschach no estudo de casos de tentativa de suicídio clinicamente grave (Tese de mestrado}. Universidade de Brasília, Brasília.
Youngstrom, E. A., Choukas-Bradley, S., & Calhoun, C. D. (2015). Clinical guide to the evidence-based assessment approach to diagnosis and treatment. Cognitive and Behavioral Practice, 22(1), 20-35. dai: 10.1016/j.cbpra.2013.12.00