Motivos da Escolha do Curso pelos Estudantes de Enfermagem - Um Estudo Exploratório

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

estudantes de enfermagem; curso de licenciatura em enfermagem; escolha de curso; motivações

Como Citar

Machado, V., Teixeira, D., Sequeira, C., Santos, S. ., & Penaforte, M. (2018). Motivos da Escolha do Curso pelos Estudantes de Enfermagem - Um Estudo Exploratório. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 1(1), 37–44. https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.27

Resumo

Enquadramento: a opção dos estudantes pelo curso de licenciatura em enfermagem requer motivações, sendo que a motivação é fator determinante para a qualidade da aprendizagem e do desempenho dos estudantes. Objetivo: identificar os motivos que influenciaram os estudantes na escolha do curso de licenciatura em enfermagem. Metodologia: para o efeito enveredou-se numa abordagem quantitativa, de tipo descritivo, exploratório e transversal. Recorreu-se ao método por questionário, organizado e testado para o efeito e aplicado a uma amostra intencional de 54 estudantes, do 4º ano de uma escola superior de enfermagem. Resultados: dos resultados identificou-se que dos motivos que levaram os estudantes a optar pela enfermagem, se destacaram os aspetos intrínsecos/pessoais expressos na escolha por "Opção pessoal" seguido do "Gostar de cuidar do outro" ou "Ajudar o outro", em detrimento dos aspetos extrínsecos, "Curso alternativo", "Valorização socioeconómica da profissão", "Valorização da área científica", e a "Influência externa quer de amigos/pares ou familiares". Conclusão: o estudo permitiu conhecer fatores que influenciam o estudante na escolha do curso de licenciatura em enfermagem, identificando-se o predomínio dos fatores intrínsecos/pessoais, contudo, a carecer de una análise de los motivos por nacionalidade, fatores intrínsecos e extrínsecos, e suportá-los, com uma análise multivariada de outra informação/variáveis questionadas.

https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.27

Referências

Almeida, L., Soares, A. & Ferreira, J. (2000). Transição e adaptação à Universidade: Apresentação de um questionário de vivências académicas. Psicologia, XIV(2), 189-208.
Bezerra, F., Andrade, M., Andrade, J. & Pimentel, M. (2010). Motivação da equipe e estratégias motivacionais adotadas pelo enfermeiro. Rev Bras Enferm., 63(1), 33-7.
Borges, A., Vannuchi, M., González, A. & Vannuchi, R. (2010). Caracterização e Expectativas de Estudantes Ingressantes de um Curso de Graduação em Enfermagem. Revista Espaço para a Saúde, 12(1), 01-06.
Carvalho, A., Araújo, S., Lima, 1. & Silva, E. (2015). Fatores motivacionais relacionados à escolha pela graduação. Enfermagem J Health Sei lnst., 33(1), 56-62.
Cunha, M. & Carrilho, D. M. (2005). O processo de adaptação ao ensino superior e o rendimento acadêmico. Psicologia Escolar e Educacional, 9(2), 215-224.
Fernandes, D. (2011). Motivações e Expectativas Profissionais dos Estudantes do 4º ano da Licenciatura em Enfermagem. (Dissertação de Mestrado). Porto: Universidade Fernando Pessoa.
Fortin, M.F. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures: Lusociência.
Graveto, J. (2006). Construção e validação de uma escala de percepção pessoal de competências profissionais no pré-licenciado em enfermagem (EPPCPPLE). Revista Referência de Enfermagem, 2 (li), 99.
Lopes, M. & Leal, S. (2005). A feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira. Cadernos Pagu, 24, 105-125.
Luz, D. (2005). Do Fazer ao Ser - Representação social do enfermeiro para o a/uni de Enfermagem. (Tese de Doutoramento). Lisboa: Universidade Aberta de Lisboa.
Medina, N. & Takahashi, R. (2003). A busca da graduação em enfermagem como opção dos técnicos e auxiliares de enfermagem. Rev Esc Enferm, 37(4), 101-8.
Pereira, P. (2008). Homens na enfermagem: atravessamentos de género na escolha, formação e exercício profissional. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Ramos, S. (2013). Motivação académica dos alunos do ensino superior. Psicologia.pt. Retirado de http://www.psicologia.pt/artigos/textos/ A0677 .pdf
Salgueiro, A. (2001). Expetativas dos estudantes do ensino superior de Enfermagem. Lisboa: Universitária Editora.
Santos, A., Mognon, J., Lima, T. & Cunha, N. (2011). A relação entre vida acadêmica e a motivação para aprender em universitários. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, 15(2), 283-290.
Santos, A., Polydoro, S., Teixeira, M. & Bardagi, M. P. (2010). Avaliação da integração do aluno ao ensino superior no contexto brasileiro. Perspectivas em avaliação psicológica, 165-188.
Silva, M. G. (2010). Processo de formação da(o) enfermeira(o) na contemporaneidade: Desafios e perspectivas. Texto & Contexto em Enfermagem, 19(1), 176-184.
Simões, A. (2008). Motivações e expectativas profissionais dos estudantes de enfermagem - estudo numa escola da área de Lisboa. (Tese de Mestrado). Universidade Aberta de Lisboa.
Sobral, D. (2003). Motivação do aprendiz de Medicina: Uso da Escala de Motivação. Psicologia, Teoria e Pesquisa, 19(1), 25-31.
Spíndola T., Martins, E. & Francisco, M. (2008). Enfermagem como opção: perfil de graduandos de duas instituições de ensino. Rev. Bras Enferm., 61(2), 164-9.
Teixeira, M. (2012). Perceção dos alunos da Licenciatura em Enfermagem do 4º ano da UFP quanto às competências adquiridas no final da formação. Universidade Fernando Pessoa.