Preocupações do estudante trabalhador do curso de enfermagem nas suas práticas clínicas

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

educação em enfermagem; estágio clínico; estudante de enfermagem

Como Citar

Machado, V., Sequeira, C., Teixeira, D. ., Santos, S., Penaforte, H. ., & Pereira, D. (2019). Preocupações do estudante trabalhador do curso de enfermagem nas suas práticas clínicas. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 2(1), 51–61. https://doi.org/10.37914/riis.v2i1.47

Resumo

Enquadramento: os fluxos de mudança no mercado de trabalho exigem trabalhadores cada vez mais qualificados, conduzindo também a implicações significativas nas diferentes áreas do conhecimento entre elas a enfermagem. Muitos procuram o ensino superior, surgindo assim o estudante trabalhador. Objetivo: identificar as principais preocupações do estudante trabalhador do curso de enfermagem antes e durante a realização das suas práticas clínicas. Metodologia: estudo de abordagem qualitativo, de natureza exploratório-descritivo e cariz transversal. Foram realizadas 8 entrevistas semiestruturadas, numa escola de enfermagem do norte do país com diversidade cultural, aplicadas a estudantes trabalhadores espanhóis e portugueses. A análise da informação foi baseada na análise de conteúdo. Resultados: brotaram as preocupações do estudante trabalhador antes e durante o ensino clínico nomeadamente a valorização do local de realização do ensino clínico e das relações familiares, coordenação de horários, valorização das relações familiares/sociais, valorização do impacto na sua saúde e bem-estar e valorização do desempenho em ensino clínico. Conclusão: os resultados permitiram conhecer algumas preocupações do estudante trabalhador de enfermagem antes e durante a realização do ensino clínico, significando vivenciar uma transformação não somente no seu quotidiano, relacionamento familiar e social, mas também transformações interiores com impacto na sua saúde e bem-estar que devem ser consideradas pelos responsáveis das instituições de ensino superior.

https://doi.org/10.37914/riis.v2i1.47

Referências

Alves, E. (2010). Qualidade de vida de estudantes de enfermagem de uma faculdade privada. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, 2 (2), 23-30.
Alves, F. (2011). Caraterísticas Demográficas e Ocupacionais do estudante trabalhador de enfermagem e o risco de acidentes de trabalho. Trabalho& Educação Belo Horizonte, v.20 (nº 3), 47-59.
Araújo, C., Frazili, R., & Almeida, E. (2011). Influência do sono nas atividades acadêmicas dos graduados de enfermagem que trabalham na área no período noturno. Revista Eletrônica de Enfermagem do Vale do Paraíba (REENVAP), 1,53-62.
Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.
Costa, C. (2011). As práticas de gestão de recursos humanos que conciliam a tripla jornada: a perspetiva dos trabalhadores estudantes do ensino superior (Dissertação de Mestrado). Instituto Politécnico de Setúbal, Escola Superior de Ciências Empresariais.
Coutinho, C. (2011). Metodologia de Investigação em Ciências Sociais e Humanas: Teoria e Prática. Coimbra: Edições Almedina.
Decreto-Lei nº 7/2009 de 12 de fevereiro (2009). Estatuto do Trabalhador-Estudante. Diário da República I Série, Nº 30 (12/02/2009) 946-948.
Dias, E., Stutz, B., Resende, C., & Batista, B. (2014). Expectativas de alunos de enfermagem em frente ao primeiro estágio em instituições de saúde. Rev Psicopedagogia, 31(94), 44-55.
Fernandes, M. (2010). O primeiro ensino clínico no percurso formativo do estudante de enfermagem. Tese de Doutoramento. Universidade de Aveiro. Disponível em: http://ria.ua.pt/handle/10773/3824
Fortin, M. F., Côté, J., & Filion, F. (2009). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures: Lusodidacta.
Melincavage, S. M. (2011). Student nurses' experiences of anxiety in the clinical setting. Nurse Educ Today, 31, 785-789.
Miranda, A. (2010). Formação na Prática Clínica de Enfermagem – Os Saberes do Cuidar. Associação Portuguesa de Enfermeiros de Cuidados de Saúde Primários. Consultado em http://www.apecsp.com/2010/03/formacao-na-pratica-clinica-de-enfermagem-os-saberes-docuidar.
Novo, A. (2011). Gestão da Supervisão do Ensino Clínico em Enfermagem: Perspetivas dos Enfermeiros Orientadores do CHNE, EPE (Dissertação de Mestrado). Instituto Politécnico de Bragança.
Oliveira, A., & Ciampone, M. (2008). Qualidade de vida de estudantes de enfermagem: a construção de um processo e intervenções. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 42 (1), 57-65.
Oliveira, M. & Temudo, E. (2008). Mulheres Estudantes Trabalhadoras na Universidade do Porto – Uma Licenciatura ‘fora de tempo’ ou ‘sem tempo’?. Ex-aequo, n.º 18, pp. 147-173.
Ordem dos Enfermeiros (2016). Dados Estatísticos. Retirado de http://www.ordemenfermeiros.pt/Documents/2016_DadosEstatisticos_00_Nacionais.pdf.
Pinto, C. (2011). Desenvolvimento do pensamento ético no contexto da formação inicial dos enfermeiros. Tese de Doutoramento. Universidade de Aveiro, Aveiro.
Quintas, H., Gonçalves, T., Ribeiro, M., Monteiro, R., Fragoso, A., Bago, J., Santos L. & Fonseca, H. (2014). Estudantes adultos no Ensino Superior: O que os motiva e o que os desafia no regresso à vida académica. Revista Portuguesa de Educação, 27(2), pp. 33-56, CIEd - Universidade do Minho.
Ribeiro, O., & Cunha, M. (2010). Contributo dos enfermeiros na formação pré-graduada. Millenium – Revista do ISPV, vol. 41, 123‐144.
Santos, R., Greco. P., Prestes, F., Kirchhof, R., Magnago, T., & Oliveira, M. (2016). Sintomas de Transtornos Psíquicos Menores en Estudiantes de Enfermaria. Revista Baiana de Enfermagem, v.30 (nº3) 1-14.
World Medical Association. (2016). WMA Declaration of Helsinki: Ethical principles for medical research involving human subjects. Retirado de http://www.wma.net/en/30publications/ 10policies/b3.