Ganhos em saúde familiar sensíveis ao modelo dinâmico de avaliação/intervenção familiar

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

diagnóstico de enfermagem; enfermagem familiar; enfermeiras de saúde da família; saúde da família

Como Citar

Ferreira, M., Pereira, C., Rodrigues, M. J., Paiva, M., Arrojado, V., & Figueiredo, M. H. (2020). Ganhos em saúde familiar sensíveis ao modelo dinâmico de avaliação/intervenção familiar. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 3(2), 7–20. https://doi.org/10.37914/riis.v3i2.84

Resumo

Enquadramento: o Modelo Dinâmico de Avaliação e Intervenção Familiar (MDAIF) é um referencial teórico e operativo que pretende dar resposta às necessidades dos enfermeiros no cuidado às famílias. Objetivo: avaliar os ganhos em saúde sensíveis aos cuidados de enfermagem prestados por estudantes colaborativamente com as famílias segundo o MDAIF.  Metodologia: trata-se de um estudo descritivo, transversal, de natureza quantitativa, com uma amostra de conveniência, constituída por 35 famílias. A colheita de dados foi realizada a partir dos registos de enfermagem dos cuidados prestados às famílias, sujeitos posteriormente a análise descritiva.  Resultados:  o MDAIF permitiu aos estudantes obter em ganhos em saúde junto das famílias.  Dos diagnósticos formulados destacam-se pela prevalência os da dimensão do desenvolvimento, seguidos dos da dimensão funcional e finalmente os da dimensão estrutural. Registaram-se ganhos em saúde sensíveis aos cuidados de enfermagem em todas as áreas de atenção das dimensões, com uma modificação positiva no estado dos diagnósticos de enfermagem de 80,8% do antes para após a intervenção. Conclusão: os estudantes de enfermagem, fundamentados no MDAIF, avaliaram e interviram colaborativamente com as famílias, obtendo ganhos em saúde familiar. Recomenda-se a disseminação generalizada do MDAIF no cuidado às famílias.

https://doi.org/10.37914/riis.v3i2.84

Referências

Corrêa, C. S., Queiroz, B. L. & Fazito, D. (2016). Relação entre tamanho e estrutura da rede de apoio e o tempo individual dedicado à atenção ao idoso na cidade de São Paulo 2000. Revista Brasileira de Estudos de População, 33(1), 75-97. doi:10.20947/S0102-309820160005

Estanque, E. (2017). Onde para a classe média? Breves notas sobre o conceito e a realidade portuguesa. Sociologia, Problemas e Práticas, 83, 37-54. doi:10.7458/SPP2017839971.

Figueiredo, M. H. (2012). Modelo Dinâmico de Avaliação e Intervenção Familiar: Uma abordagem colaborativa em enfermagem de família. Loures, Portugal: Lusociência.

Hickey, G., McGilloway, S., Leckey Y. & Stokes, A. (2018). A universal early parenting education intervention in community-based primary care settings: Development and installation challenges. Education Sciences, 8(178). 1-15. doi:10.3390/educsci8040178

Imanigoghary, Z., Peyrovi, H. N. & Kazemi, M. (2017). The role of nurses in coping process of family caregivers of vegetative patients: A qualitative study. International Journal Community Based Nursing and Midwifery, 5(1), 70-81. Recuperado de https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5219567/pdf/IJCBNM-5-70.pdf

Instituto Nacional de Estatística. Statistics Portugal. (2013). Famílias nos Censos 2011: Diversidade e mudança. Destaque: Informação à Comunicação Social, 1-26. Recuperado de https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=206614582&DESTAQUESmodo=2&xlang=pt

Kholifah, S. N., Nursalam, M. N., Adriani, M., Ahsan, BN & Susanto, T. (2016). Structural model for public health nurses’ performance in the implementation of family nursing based on nursing relational capital. International Journal of Caring Sciences, 9(1), 914-26. Recuperado de http://www.internationaljournalofcaringsciences.org/docs/33_1-susanto_original_10_2.pdf

Kokorelias, K. M., Gignac, M. A, Naglie, G. & Cameron, J. I. (2019). Towards a universal model of family centered care: a scoping review. BMC Health Services Research, 19(564), 1–11. doi: 10.1186/s12913-019-4394-5

Kuluski, K., Kokorelias, K. M., Peckham, A., Goldhar, J., Petrie, J. & Alloway, C. A. (2019). Twelve principles to support caregiver engagement in health care systems and health research. Patient Experience Journal, 6(1), 141-148. Recuperado de https://pxjournal.org/cgi/viewcontent.cgi?article=1338&context=journal

Leahey, M. & Wright, L. M. (2016). Application of the Calgary Family Assessment and Intervention Models: Reflections on the reciprocity between the personal and the professional. Journal of Family Nursing, 22(4), 450–459. doi:10.1177/1074840716667972

Mauritti, R., Nunes, N. & Alves, J. E. (2019). Social inequalities and development in Portugal: A look at the regional scale and the low density territories. Sociologia on line. Revista da Associação Portuguesa de Sociologia, (19), 102-126. doi: https://doi.org/10.30553/sociologiaonline.2019.19.5

Nourani, Sh, Seraj F., Shakeri, M.T. & Mokhber N. (2019). The relationship between gender-role beliefs, household labor division and marital satisfaction in couples. Journal of Holist Nursing and Midwifery, 29(1), 43-49. doi: 10.29252/HNMJ.29.1.301

Ordem dos Enfermeiros. (2007). Resumo mínimo de dados e core de indicadores de enfermagem para o repositório central de dados de saúde. Lisboa, Portugal: Autor. Recuperado em https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/documentosoficiais/Documents/RMDE_Indicadores-VFOut2007.pdf

Russell, L. T., Coleman, M. & Ganong, L. (2018). Conceptualizing family structure in a social determinants of health framework. Journal of Family Theory & Review, 10(4), 735-748. doi: 10.1111/jftr.12296

Schaepe, C., & Ewers, M. (2018). “I see myself as part of the team” – family caregivers’ contribution to safety in advanced home care. BMC Nursing, 17(40), 1-10. doi: 10.1186/s12912-018-0308-9

Seibel, B. L., Falceto, O. G., Hollist, C. S., Springer, P., Fernandes C. C. & Koller, S. H. (2017). Rede de apoio social e funcionamento familiar: Estudo longitudinal sobre famílias em vulnerabilidade social. Pensando Famílias, 21(1), 120-136. Recuperado em https://lume.ufrgs.br/handle/10183/185176

Shen, C., Wan, A., Kwok, L.T., Pang S., Wang X., Stewart S.M., Lam TH & Chan S.S. (2017). A community-based intervention program to enhance family communication and family well-being: The learning families project in Hong Kong. Front. Public Health, 5(257), 9. doi: 10.3389/fpubh.2017.00257

Shivalli, S., Majra,J. P., Akshaya, K. M. & Qadiri, G. J. (2015). Family centered approach in primary health care: Experience from an urban area of Mangalore, India. The Scientific World Journal, 2015 (419192), 2-8. doi: 10.1155/2015/419192

Silva, M. A., Costa, M. A., & Silva, M. M. (2013). A Família em Cuidados de Saúde Primários: caracterização das atitudes dos enfermeiros. Revista de Enfermagem Referência, III Série (11), 19-28. doi: 10.12707/RIII13105

Tavakol, Z., Nasrabadi, A. N., Moghadam, Z. B., Salehiniya, H. & Rezaei, E. (2017). A Review of the factors associated with marital satisfaction. Galen Medical Journal, 6(3), 197-207

Waldow, V. R. (2014). Cuidado colaborativo em instituições de saúde: A enfermeira como integradora. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis, 23(4), 1146-52. doi: 10.1590/0104-07072014001840013

Creative Commons License

Este trabalho encontra-se publicado com a Licença Internacional Creative Commons Atribuição 4.0.

Direitos de Autor (c) 2020 Revista de Investigação & Inovação em Saúde