Transição Saúde-Doença na Pessoa com Enfarte Agudo do Miocárdio: Estudo Qualitativo

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

transição; enfarte agudo do miocárdio; vivências; regresso a casa

Como Citar

Paiva, S., & Ferreira, P. (2018). Transição Saúde-Doença na Pessoa com Enfarte Agudo do Miocárdio: Estudo Qualitativo. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 1(1), 57–66. https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.29

Resumo

Enquadramento: o Enfarte Agudo do Miocárdio (EAM) provoca alterações significativas na qualidade de vida da pessoa, no seu autocuidado, na sua vida familiar, profissional e social. Objetivos: compreender o significado que as pessoas atribuem ao EAM e ao internamento numa Unidade Cuidados Intensivos Coronária; identificar as suas preocupações e necessidades; perceber as vivências relativamente à preparação para o regresso a casa; perceber as alterações provocadas pelo EAM na vida destas pessoas. Metodologia: estudo qualitativo de abordagem fenomenológica, com recurso ao modelo de análise de Giorgi. A amostra foi intencional e as oito entrevistas foram realizadas entre janeiro e maio de 2015 a pessoas submetidas a cateterismo cardíaco pós EAM e três meses após o procedimento. Resultados: emergem três temas relativos às vivências: do EAM, nomeadamente sintomas, sentimentos de choque e medo da morte; da hospitalização que foi vivida com limitações como a falta de informação, imobilização no leito e limitação no número de visitas e por outro lado a valorização dos profissionais de saúde nomeadamente a rapidez de atuação, competência e segurança transmitida; do regresso a casa. Conclusão: o EAM é um acontecimento marcante, todos os participantes referiram modificação de comportamentos de risco, o que denota um processo de transição.

https://doi.org/10.37914/riis.v1i1.29

Referências

Buli, M., Hansen, H. & Gross, C. (2000). Predictors of elder and family caregiver satisfaction with discharge planning. Journal Cardiovascular Nursing, 14 ( 3), 76- 87.
Cainé, J. (2004). A família como unidade de suporte em pessoas com enfarte agudo do miocárdio: uma análise do seu envolvimento durante o processo de cuidados. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Ciência Biomédicas Abel Salazar, Universidade do Porto: Porto. Retirado de http://repositorioaberto.up.pt/bitstrea m/10216/97 48/7 /5 322_ TM_Ol_P.pdf.
Cintra, E. A., Nishide, V. M., & Nunes, W. A. (2001). Assistência de Enfermagem ao Paciente Gravemente Enfermo. São Paulo: Editora Atheneu.
Cruz, M. M. A. (2013). Preparação da Alta Hospitalar da Pessoa com Enfarte Agudo do Miocárdio. (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Coimbra.
Ferreira, P. A. (2010). Enfermagem em Cardiologia: Contributos Sociopsicológicos e Profissionais para a Melhoria dos Cuidados. (Tese de Doutoramento). Universidade da Extremadura, Badajoz.
Fortin, M. F. (2003). O Processo de Investigação: da conceção à realização. (3ª ed.). Loures: Lusociência.
Freitas, M., & Oliveira, M. (2006). Assistência de enfermagem a idosos que realizam cateterismo cardíaco: uma proposta a partir do Modelo de Adaptação de Calista Roy. Revista Brasileira de Enfermagem, 59(5), 642-646. Retirado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S 0034-71672006000500009.
Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) (2011). Aspetos preventivos das doenças cardiovasculares. Retirado de http://cardiologia.brower.pt/PrimeiraPagina.aspx?ID_Cont eudo=54.
Giorgi, A., & Sousa, D. (2010). Método Fenomenológico de Investigação em Psicologia. Lisboa: Fim de Século.
Grimmer, K., et ai. (2006). lncorporating patient concerns into discharge plan: evaluation of a patient-generated checklist. The Internet Journal of Allied Health Sciences and Pratctice 4(2), 7.
Gutiérrez, J., Segura, R., Padilla, J., & Fernández, C. (2006). EI padecimiento de los enfermos con Síndrome Coronario Agudo. lndex de Enfermeria, 15(52), 20-24. Retirado de http :// sei elo. isci i i. es/ sei elo. p h p ?scri pt=sci _ a rttext&pi d=S 1 132-12962006000100005.
Lourenci, R., & Andrade, M. (2006). Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente submetido ao cateterismo cardíaco: análise da produção científica. Online Brazilian Journal of Nursing, 5(3). Retirado de http://bases.bireme.br/cgi­
bin/wxislind.exe/iah/online/?lsisScript=iah/iah.xis&src=go ogle&base=BDENF&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=2 3880&indexSearch=I D.
Machado, F. (2008). A família: uma perspetiva sociológica. Hospitalidade, 72(282), 39-43.
Matte, R. (2014). Repouso de três horas no leito após cateterismo cardíaco diagnóstico com introdutor 6 french não aumenta complicações decorrentes da punção arterial: ensaio clínico randomizado. (Dissertação de Pós­Graduação). Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Retirado de http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/97618.
Mclntyre, T., Fernandes, A., & Soares, V. (2006). Intervenção Psicológica na Reabilitação Pós- Enfarte do Miocárdio: Um Esforço Interdisciplinar. Psic., Saúde & Doenças, 1(1), 53-60. Retirado de http://redalyc.uaemex.mx/pdf/362/36210105.pdf.
Meleis, A. (2010). Transitions theory: middle-range and situation-specific theories in nursing research and practice. New York: Springer Publishing Company, LLC.
Meleis, A., & Trangenstein, P. (1994). Facilitating transitions: Redefiniftion of the Nursing Mission. Nursing Outlook, 42(6), 255-259.
Meleis, A., Sawyer, L., lm, E., Messias, D., & Schumacher, K. (2010). Experiencing Transitions: Emerging middle - range theory transitions. ln A. Meleis (Ed.), Transitions theory: middle-range and situation-specific theories in nursing research and practice. (pp. 52-64). New York: Springer Publishing Company, LLC.
Mendes, A., Bastos, F., & Paiva, A. (2010). A pessoa com Insuficiência Cardíaca. Fatores que facilitam/dificultam a transição saúde/doença. Revista de Enfermagem Referência, 3(2), 7-16.
Mussi, F. (2004). O infarto e a rutura com o cotidiano: possível atuação da enfermagem na prevenção. Revista Latino-americana de Enfermagem, 12(5), 751-759. Retirado de http://www.scielo.br/scielo. php ?scri pt=sci_pdf&pid=SOlO 4-11692004000500008&1ng=en&nrm=iso&tlng=pt.
Oguz, S., & Enç, N. (2008). Symptoms and strategies in heart failure in Turkey. Journal Compilation - lnternational Council of Nurses, 55(4), 462-467. Retirado de http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j .1466-
7657 .2008.00661.x/abstract;jsessionid=1E6F39528941879 C83B44E69C1702522.f03t03?userlsAuthenticated=false&d eniedAccessCustomisedMessage=.
Organização Mundial de Saúde (2015). Cardiovascular diseases (CVDs). Fact sheet, 317. Retirado de http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs317 /en/
Pereira, F. M. P. (2000). Significação das Vivencias do Doente Confrontado com o seu Enfarte Agudo do Miocárdio. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar.
Pornratanarangsi, S. et ai. (2010). The effectiveness of "Siriraj Leg Lock" brace on back pain after percutaneous coronary intervention: PCI. Journal of the Medical Association of Thailand, 93(Suppl 1), 35-42. Retirado de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20364555.
Proença, M., & Deli, C. A. (2011). Internação em unidade de terapia intensiva: perceção de pacientes. Revista Gaúcha de Enfermagem, 32(2), 279-286. Retirado de http://www.scielo.br/scielo. ph p ?pid=S1983-144720110002000 lO&scri pt=sci_ a rttext.
Ramos, S. (2015). A influência do planeamento da alta hospitalar no número de dias de internamento do doente. (Dissertação de Mestrado). Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Retirado de http:/ /recil.grupolusofona.pt/handle/10437 /6631.
Sampaio, E., Mendes, A., Guimarães, A., & Mussi, F. (2012). Perceção de clientes com infarto do miocárdio sobre os sintomas e a decisão de procurar atendimento. Ciência, Cuidados e Saúde, 11(4), 687-696. Retirado de http:// ed uem. uem. br /ojs/i ndex. ph p/CiencCu idSa ude/artic le/view/17591/pdf_l.
Santos, F. L., & Araújo, T. L. (2003). Vivendo infarto: os significados da doença segundo a perspetiva do paciente. Rev Latino-am Enfermagem, 11(6), 742-8. Retirado de http://www.scielo.br/pdf /rlae/vlln6/vl ln6a07. pdf.
Urden, L. D., Stacy, K. M., & Lough, M. E. (2008). Thelan's enfermagem de cuidados intensivos: Diagnóstico e intervenção. (5ª ed.). Loures: Lusodidacta.