Cárie dentária e fatores sociodemográficos em criança com e sem fissura labiopalatina

Arquivos suplementares

PDF

Palavras-chave

fenda labial; cárie dentária; higiene bucal; odontopediatria

Como Citar

Silva, T., Peralta-Mamani, M., Honório, H., Fischer, I. ., Bullen, R., Vieira, N., & Dalben, G. . (2019). Cárie dentária e fatores sociodemográficos em criança com e sem fissura labiopalatina. Revista De Investigação &Amp; Inovação Em Saúde, 2(1), 19–31. https://doi.org/10.37914/riis.v2i1.44

Resumo

Enquadramento: indivíduos com fissura labiopalatina possuem higiene bucal precária e tendência de não manipular a região da fissura, contribuindo a um maior risco de cárie. Objetivo: descrever a prevalência de cárie e sua correlação com fatores sociodemográficos e cuidados de higiene bucal em crianças com fissura de lábio, comparadas a crianças sem fissuras. Metodologia: este estudo prospetivo transversal avaliou 145 crianças de 7 a 66 meses com FL (27,0±17,9 meses). No grupo comparativo foram 130 crianças sem fissura (38,5±17,99 meses). Foi realizada avaliação da cárie pelo índice ceo-d e os familiares responderam um questionário abordando aspetos sociodemográficos, hábitos dietéticos e de higiene bucal. O nível de significância adotado foi de 5%. Resultados: a prevalência de cárie foi 30% no grupo de estudo e 21,53% no grupo comparativo (x2, p=0,089). O índice ceo-d médio foi de 1,5±3,3 para o grupo de estudo e 0,8±1,9 para o grupo comparativo (teste T, p=0,072). Os aspetos sociodemográficos, higiene bucal e hábitos dietéticos não influenciaram na ocorrência de cárie (p>0,001). Conclusão: houve maior ocorrência de cárie em crianças com fissura nos incisivos superiores, tiveram menos aleitamento materno e introdução mais precoce do açúcar na dieta. Os familiares relataram mais receio na higiene bucal, entretanto foi iniciada mais precocemente.

https://doi.org/10.37914/riis.v2i1.44

Referências

Bian, Z., Du, M., Bedi, R., Holt, R., Jin, H., & Fan, M. (2001). Caries experience and oral health behavior in Chinese children with cleft lip and/or palate. Pediatric Dentistry, 23(5), 431-434.
Borges, H. C., Garbin, C. A. S., Saliba, O., Saliba, N. A., & Moimaz, S. A. (2012). Socio-behavioral factors influence prevalence and severity of dental caries in children with primary dentition. Brazilian Oral Research, 26(6), 564-670.
Dalben, G. S., Costa, B., Carrara, C. F. C., Neves, L. T., & Gomide, M. R. (2009). Treating children with cleft lip and palate: special needs and attention required during dental care. In J. C. Taggart (Ed.), Handbook of dental care: diagnostic, preventive and restorative services (pp. 199-266). Hauppauge: Nova Science Publishers.
Dalben, G. S., Costa, B., Gomide, M. R., & Teixeira das Neves, L. T. (2003). Breast-feeding and sugar intake in babies with cleft lip and palate. The Cleft Palate-Craniofacial Journal, 40(1), 84-87.
Do, L. G., Ha, D. H., & Spencer, A. J. (2015). Factors attributable for the prevalence of dental caries in Queensland children. Community Dentistry and Oral Epidemiology, 43(5), 397-405.
Duijster, D., Verrips, G. H. W., & Van Loveren, C. (2014). The role of family functioning in childhood dental caries. Community Dentistry and Oral Epidemiology, 42(3), 193-205.
Freitas, J. A. S., Dalben, G. S., Santamaria, Jr. M., & Freitas, P. Z. (2004). Current data on the characterization of oral clefts in Brazil. Brazilian Oral Research, 18(2), 128-133.
Gomide, M. R., & Costa, B. (2007). Cuidados odontopediátricos. In I. E. Trindade, & O. G. Silva Filho (Ed.), Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar (pp. 199-212). São Paulo: Santos.
Hazza'a, A. M., Rawashdeh, M. A., Al-Nimri, K., & Al Habashneh, R. (2011). Dental and oral hygiene status in Jordanian children with cleft lip and palate: a comparison between unilateral and bilateral clefts. International Journal of Dental Hygiene, 9(1), 30-36.
King, N. M., Wong, W. L., & Wong, H. M. (2013). Caries experience of Chinese children with cleft lip and palate. The Cleft Palate-Craniofacial Journal, 50(4), 448-455.
Massarei, A. G., Sell, D., Habel, A., Mars, M., Sommerlad, B. C., & Wade, A. (2007). The nature of feeding in infants with unrepaired cleft lip and/or palate compared with healthy noncleft infants. The Cleft Palate-Craniofacial Journal, 44(3), 321-328.
Miranda, J. N. (2013). Prevalência de cárie em bebêgênics com fissuras labiopalatinas (Monografia). Hospital de Reabilitação de Anomalias Cranifoaciais, Universidade de São Paulo, Brasil.
Moura, A. M. (2008). Prevalencia de cárie dentária em crianças portadoras de fissuras de lábio e/ou palato na faixa etária entre 6 e 36 meses (Dissertação). Faculdade de Odontologia, Universidade de São Paulo, Brasil.
Mutarai, T., Ritthagol, W., & Hunsrisakhun, J. (2008). Factors influencing early childhood caries of cleft lip and/or palate children aged 18 to 36 months in southern Thailand. The Cleft Palate-Craniofacial Jornal, 45(5), 468-472.
Neves, L. T. (2002). Avaliação da prevalência de cárie e dos fatores associados, em diferentes intervalos na faixa etária entre 5 e 72 meses em portadores de fissura de lábio e/ou palato (Dissertação). Faculdade de Odontologia, Universidade de São Paulo, Brasil.
Peres, M. A., de Oliveia Latorre, Mdo. R., Sheiham, A., Peres, K. G. A., Barros, F. C., Hernandez, P. G.,… Victora, C. G. (2005). Social and biological early life influences on severity of dental caries in children aged 6 years. Community Dentistry and Oral Epidemiology, 33(1), 53-63.
Rodrigues, A. P., Matias, F., & Ferreira, M. M. (2016). Escovagem de dentes em ambiente escolar e redução do índice de placa bacteriana: avaliação da efetividade de um projeto de saúde oral. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 34(3), 244-249.
Shashni, R., Goyal, A., Gauba, K., Utreja, A. K., Ray, P., & Jena, A. K. (2015). Comparison of risk indicators of dental caries in children with and without cleft lip and palate deformities. Contemporary Clinical Dentistry, 6(1), 58-62.
Tannure, P. N., Costa, M. C., Küchler, E. C., Romanos, H. F., Granjeiro, J. M., & Vieira, A. R. (2012). Caries experience in individuals with cleft lip and palate. Pediatric Dentistry, 34(2), 127-131.
Trindade, I. E. K., & Silva Filho, O. G. (2007). Fissuras labiopalatinas: uma abordagem interdisciplinar. (1a ed). São Paulo: Santos.